Cidadeverde.com
Esporte

Adriano diz que errou ao deixar Flamengo em 2010: 'Minha cabeça ficou no Brasil'

Imprimir

O ex-jogador Adriano revelou nesta quinta-feira, em entrevista ao podcast PodPah, que se arrependeu de trocar o Flamengo pela Roma em 2010, depois de viver um ano mágico com a camisa rubro-negra na temporada anterior, em 2009, quando foi protagonista da conquista do título do Brasileirão. 

Adriano Imperador em 2009. Foto: Arquivo/Flamengo

De acordo com o "Imperador", por mais que a Itália seja um país onde ele é muito respeitado, o retorno para lá naquela época não foi proveitoso.

"Eu não deveria ter saído do Brasil e voltado para a Itália em 2010. Eu quis dar uma resposta pela maneira que sai da Inter de Milão. O povo italiano é apaixonado por mim, fiquei com isso no coração, na mente. 

Queria voltar para retribuir esse carinho. Mas infelizmente aquilo não era mais para mim, minha cabeça estava no Brasil", disse. "Eu acho que eu deveria ter esticado meu contrato no Flamengo", completou.

Com os pensamentos voltados para sua terra natal, Adriano teve uma passagem bastante apagada pela Roma, tanto que fez apenas oito jogos.

Em 2011, quando voltou para o Brasil, foi para o Corinthians, clube pelo qual jogou sete vezes, mas deixou uma memória inesquecível aos torcedores alvinegros ao marcar o gol da virada por 2 a 1 sobre o Atlético-MG, resultado importante na briga pelo título brasileiro conquistado pelos corintianos naquele ano.

"Ronaldo me chamou e falou: você vai ficar parado?. Eu tinha acabado de chegar da Roma. Ele falou, 'e seu conseguir algo para você no Corinthians'. Demorou um pouco um pouco, tinha de ver as coisas de contrato. Fiquem esperando e fui para o Corinthians, mas me machuquei no primeiro treino", lembrou o ex-jogador.

Depois da passagem pelo Corinthians, ele ainda teve experiências curtas no Athletico-PR e no Miami United, dos Estados Unidos. A última temporada de alto nível, contudo, foi mesmo no Flamengo de 2009. 

No ano seguinte, Adriano era cotado para a Copa do Mundo da África do Sul, mas não foi levado por Dunga. Na entrevista desta quinta, reafirmou uma opinião que já tinha dado em outras oportunidades: o treinador acertou em não levá-lo.

"Sabia a mente do Dunga, do Jorginho. Sabia a pessoa que eles eram. O carinho que tinham por mim. A decisão que eles tomaram foi a certa para mim. Não fiquei chateado. Não merecia estar ali Não fiquei. Até porque eles têm carinho por mim. Eles falaram na hora que iria doer não botar o Adriano. Não fiquei chateado. 

Tinha a possibilidade, mas ao mesmo tempo não fiquei ansioso. Se eu for, legal. Vai ser ótimo, volta por cima. Por outro lado eu estava em paz. Se eu não for, tem um porquê. Se eu for, tenho que fazer por onde", comentou.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir