Cidadeverde.com
Economia

"O empréstimo não garante a continuidade do pagamento do auxílio", alerta coordenador

Imprimir

Com o início do pagamento do Auxílio Brasil nesta terça-feira (9), o coordenador de Programas Sociais da Secretaria de Assistência Social e Cidadania (Sasc), Roberto Oliveira, alerta os beneficiários quanto ao “assédio” de bancos, financeiras e de pessoas que se apresentam como intermediários para o empréstimo. 

“O governo federal liberou empréstimo consignado para quem recebe o Auxilio Brasil e o BPC [Benefício de Prestação Continuada], e a gente está tendo um assédio muito grande aos beneficiários por financeiras e pessoas que se apresentam como sendo de financeiras", afirmou o gestor.

A ordem de pagamento seguirá o Número de Identificação Social (NIS). Além do valor principal, há benefícios complementares pagos de acordo com os perfis das famílias, como o Auxílio Esporte Escolar, a Bolsa de Iniciação Científica Júnior e o Auxílio Inclusão Produtiva Rural.

 

De acordo com o coordenador da Sasc, alguns beneficiários estão sendo enganados a aderir ao empréstimo com a promessa de que a contratação do crédito de até R$ 2 mil irá garantir sua permanência no programa.

“O fato de fazer o empréstimo não garante a continuidade do pagamento do auxílio, pode haver reavaliação do valor do benefício, como também cancelamentos, e a pessoa continuar com a dívida. Uma coisa é a responsabilidade do governo federal com o auxílio e outra coisa é o empréstimo consignado”, explica Oliveira.

Além do Auxílio Brasil, famílias cadastradas no Cadastro Único (CADÚnico) também estão sendo contempladas com o vale gás. Por conta disso, Roberto Oliveira chama a atenção dos beneficiários para não comprometer o orçamento familiar. 

“A impressão que dá é que a pessoa tem muito dinheiro. Tem os R$ 600 do Auxilio Brasil, o Auxílio Gás de R$ 110 e o empréstimo que pode chegar a R$2 mil, só que no empréstimo você vai pagar 98% de juros e uma parcela de R$ 166 por mês. Se o auxílio for cancelado o empréstimo continua", finalizou o coordenador.

Breno Moreno
[email protected]

Imprimir