Cidadeverde.com
Esporte

Cuca convoca coletiva e diz que problema do Atlético-MG é 'a bola que não entra'

Imprimir

Três derrotas, dois empates e apenas uma vitória, sobre o Coritiba, com gol nos acréscimos, além da eliminação nas quartas de final da Libertadores com dois a mais em campo diante do Palmeiras. 

Foto - Pedro Souza/Atlético-MG

Com péssimo desempenho de somente 27,7%, o técnico Cuca convocou uma coletiva nesta segunda-feira para dar explicações à torcida sobre a má fase e quebrar o silêncio que imperou no clube desde o tropeço do sábado, com revés por 1 a 0 para o Goiás.

O treinador defendeu o rendimento do time e garantiu que fala, apenas, "a bola entrar".

"Eu vim hoje falar porque achei que é o melhor caminho eu passar para o torcedor o sentimento nosso do que ficar uma coisa assim no ar, como que ninguém respondendo tanto questionamento", começou sua coletiva o treinador, após duras cobranças no sábado, em pleno Mineirão, e uma assustadora omissão do elenco em assumir algum erro.

O Atlético-MG realmente foi melhor que o time goiano, mas novamente cometeu erro fatal na defesa que acabou custando mais três pontos no Brasileirão. Cuca evita falar dos erros e usa números para se defender e se colocar como um escudo do elenco.

"Estou aqui para falar de números. Nosso rendimento está acima dos resultados. Não se trata de não estar lutando, estamos criando chances, e a bola não tá entrando", afirmou o treinador, garantindo que os gols perdidos são o único problema de o time estar oscilando bastante na competição.

"Temos feito um trabalho forte que ainda vai surtir efeito tanto técnico como tático", garantiu. "É natural que não dê efeito já na primeira semana em termos de resultado, mas daqui para frente dá para ter uma performance ainda melhor do que a gente está tendo", seguiu. "Os resultados são horríveis, mas a performance, não."

Mesmo com 14 pontos de distância da liderança, o treinador não desiste de ainda sonhar com a taça do Brasileirão. "Não falamos nada sobre isso. Temos 15 rodadas para terminar o campeonato. O título está distante, mas não jogamos a toalha."

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir