Cidadeverde.com
Economia

Teresina registrou abertura de 800 vagas de emprego em julho

Imprimir

Foto: Arquivo/Cidadeverde

Teresina registrou a abertura de 892 vagas de emprego com carteira assinada somente no mês julho, o que representa 44% do total do estado, segundo dados divulgados pelo Ministério da Economia, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED).

Durante os sete primeiros meses deste ano já foram 6.774 postos criados. O resultado representa um incremento de 2.351 superior em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo os dados, o crescimento positivo do número de empregos foi puxado pelo consumo das famílias que têm melhorado nos últimos meses, após o PIB do segundo trimestre ter uma variação positiva de 1,2 %.

“Este aumento do número de vagas é o resultado da retomada mais consistente no setor de comércio e serviços da cidade, onde o empresariado local tem tido melhoras em suas vendas, e num cenário onde a economia nacional tem retornado ao nível pré-pandemia. Além disso, Teresina tem atraído novas empresas, sobretudo para os Polos Empresariais Municipais”, disse o secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Marcelo Eulálio.

O saldo positivo referente ao mês de julho foi influenciado principalmente pelo setor de serviços, que abriu 541 vagas. Tiveram destaques também os segmentos de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, com saldo de 307 postos de trabalho.

Depois apareceu o setor de Serviços de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas com saldo de 118 postos de trabalho, e Serviços de transporte, armazenagem e correio com saldo de 116 postos de trabalho.

“A abertura de vagas continua numa sequência de resultados positivos no mercado de trabalho formal teresinense ao longo do ano, onde a queda no índice de inflação mensal oficial, materializada na queda dos preços administrados (Energia e Combustíveis), acaba por impactar no poder de compra dos consumidores, e a abertura de novos empreendimentos, especialmente ligados à cadeia logística, que acaba por impulsionar o mercado varejista e atacadista”, destacou o secretário.
 

Da Redação
[email protected]

Imprimir