Cidadeverde.com
Esporte

Santos enfrenta Palmeiras em semana de mudanças nos bastidores

Imprimir

Após a derrota por 2 a 0 contra o Ceará no último sábado (10), o Santos anunciou, na segunda-feira (12), o desligamento do técnico Lisca, dois meses após a contratação.

Os dias seguintes foram marcados por dificuldades na definição de um novo comandante e na busca por um dirigente para o departamento de futebol.

O Santos tenta evitar novo erro na escolha pelo responsável pelo departamento de futebol. O presidente Andres Rueda teve muitas dificuldades nessas definições ao longo de sua gestão, iniciada em dezembro de 2020, e tenta corrigir a rota.

Quando assumiu, Rueda manteve Felipe Ximenes no cargo e o demitiu após a Libertadores da América. O gerente Jorge Andrade acumulou funções até André Mazzuco ser contratado. Os dois foram demitidos e Edu Dracena assumiu. Edu também durou pouco e o último foi Newton Drummond.

Rueda apostou no perfil moderno de Mazzuco, na "boleiragem" de Edu e na experiência de Drummond, de 65 anos. Nenhum dos três se firmou. E as dúvidas são ainda maiores agora.

A primeira tentativa do Santos foi Vanderlei Luxemburgo, mas ele quis ser treinador e não dirigente. Esse fato poderia dar a entender que o time praiano buscará outro profissional experiente como Luxemburgo, de 70 anos, porém, a escolha por Newton mostra que não é bem assim.

Antes de fechar com Newton Drummond, conhecido como "Chumbinho" no mercado, o Santos buscou os "modernos" Paulo Bracks e Ricardo Moreira e teve o "não" como resposta. A saída foi o acerto relâmpago com Newton em praticamente 24 horas.

Rueda recebeu a indicação de Drummond e o chamou para conversar. Newton avisou que poderia ir para Santos. Em poucos minutos, eles apertaram a mão e o anúncio ocorreu no mesmo dia. O veterano durou um mês no cargo.

Ao saber da possibilidade de Newton Drummond, um grupo de apoiadores contestou o presidente, que respondeu: "Agora não adianta. Está contratado". Chumbinho ajudou a trazer Lisca e foi desligado por suspeita de favorecimento ao filho Henrique, que é empresário no meio do futebol.

Os erros com os variados perfis do moderno, boleiro e experiente deixam Rueda ressabiado. Ele pretende definir rapidamente seu novo braço direito, mas tem medo de ser impreciso e precisar de nova troca durante o mesmo mandato, que termina em dezembro de 2023.

O mesmo receio ocorre na procura por um novo treinador. A única tentativa concreta até agora foi pelo argentino Sebastián Beccacece, ex-Defensa y Justicia. Ele recusou.

Diante dessas indefinições, o Santos dá tempo a Orlando Ribeiro, técnico do sub-20. Ele comandará o time contra o Palmeiras no domingo.

MUDANÇAS NA FORMAÇÃO INICIAL

Orlando ainda não definiu o time, mas testou Soteldo como meia para o clássico. Dessa forma, Gabriel Carabajal iria para o banco de reservas e Lucas Barbosa entraria pelo lado direito do ataque, com Braga de volta à ponta esquerda.

A ideia de Orlando Ribeiro é ter Lucas Barbosa e Lucas Braga pelas pontas para ajudar na marcação do forte jogo pelos flancos do Palmeiras, e Soteldo no meio para prender Danilo.

Outros testes serão feitos, mas uma provável escalação é: João Paulo, Madson (Nathan), Maicon, Eduardo Bauermann e Felipe Jonatan; Camacho, Vinicius Zanocelo e Soteldo; Lucas Barbosa, Lucas Braga e Marcos Leonardo.

Rodrigo Fernández, com lesão na coxa, é desfalque. Carlos Sánchez, recuperado de problema também na coxa, e Ângelo, de volta após convocação à seleção brasileira sub-20, estão à disposição.

O Palmeiras, por sua vez, segue desfalcado por Jailson, em recuperação de lesão no joelho, e Raphael Veiga, que se recupera de cirurgia no tornozelo.

Com o restante do elenco à disposição, uma possível escalação do técnico Abel Ferreira tem: Weverton; Marcos Rocha, Gustavo Gómez, Murilo e Piquerez; Danilo, Zé Rafael e Bruno Tabata; Scarpa, Dudu e Rony.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir