Cidadeverde.com
Picos

Festejos de São Francisco de Assis reúne milhares de fiéis no bairro Junco

Imprimir
  • dentro_8.JPG Paula Monize
  • dentro_3.JPG Paula Monize
  • dentro_5.JPG Paula Monize
  • dentro_6.JPG Paula Monize
  • dentro_9.JPG Paula Monize
  • dentro_2.JPG Paula Monize
  • dentro_1.JPG Paula Monize
  • dentro_4.JPG Paula Monize
  • dentro_10.JPG Paula Monize

 

Milhares de fiéis, vestidos de marrom, participaram nesta terça-feira (04) da Missa Solene em alusão aos Festejos de São Francisco de Assis, no bairro Junco, em Picos. A data tradicional no calendário religioso é marcada pela fé de devotos de toda a macrorregião.

Durante a Santa Missa é possível encontrar pessoas de joelhos, de pés descalços, são inúmeras as expressões de fé em sinal de agradecimento. O sol escaldante também não afugentou o público.

A devota que há mais de 30 anos persevera na fé em São Francisco de Assis, Maria do Socorro Evangelista, 66 anos, destacou que a cada ano a devoção se fortalece diante de tantas bençãos recebidas.

"A fé é forte, a cada dia mais é mais forte. Ele é um santo [São Francisco de Assis] que você se apegando com ele de coração, ele age. Está com muitos anos que eu faço promessa com ele e eu nuca fiquei fraca, cada vez mais forte. A promessa que eu fiz com ele valeu para mim e para toda a minha família. Agradeço a Deus e a São Francisco por toda força que tem dados a nós e me sinto muito feliz", disse Maria do Socorro Evangelista.

A fé ultrapassa literalmente limites físicos. O idoso, Antônio Gonçalves, percorreu 18 km a pé do Povoado Torrões até o bairro Junco para pagar uma promessa. O mesmo que estava com problemas de saúde recebeu a cura sem necessitar passar por procedimento cirúrgico.

"Eu saí de Torrões a pé para a festa de São Francisco de Assis, são 18 km que percorro em gratidão. Essa é uma promessa que fiz por conta de problemas de saúde e eu fiquei curado sem precisar fazer cirurgia. Hoje eu recuperado, 100%. É muita alegria, muita fé", frisou.

Antônio Gonçalves

De geração em geração, a fé ao santo é passada na família de Maria dos Remédios. Do bairro Boa Vista, a picoense acompanhada dos dois filhos pequenos levantaram cedo, às 4h, para acompanhar a missa. 

"Há muitos anos trago os meus filhos pra assistir a missa. Eu fiz uma promessa porque o meu filho mais velho tem um problema e eu fiz um pedido para ele melhorar. Trouxe meus dois filhos vestidos de marrom e assisti a missa toda de pés descalços", comentou.

Maria dos Remédios 

Paróquia do Junco celebra 40ª Festa de São Francisco de Assis

São 40 anos de devoção e fé, reunindo dezenas de fiéis durante os novenários/missa. A Festa em honra a São Francisco de Assis foi iniciada no dia 25 de setembro com alvorada festiva e durante a noite aconteceram as novenas-missas. A programação foi encerrada nesta terça-feira com a Missa Solene.

Nesta edição, a Festa traz como tema "São Francisco, nos ensina a viver a sabedoria do Evangelho na Missão".

PRF fez o controle do trânsito

A Santa Missa em honra à São Francisco de Assis acontece às margens da BR-407. Para evitar acidentes e fazer o controle do trânsito, a rodovia no trecho que compreende a festa foi parcialmente interditada.

História do Santo

São Francisco de Assis nasceu em Assis, Itália, em 1182. Era filho de Pedro Bernardone, um rico comerciante, e Pia, de família nobre da Provença.  Na juventude, Francisco era muito rico e esbanjava dinheiro com ostentações. Porém, os negócios de seu pai não lhe despertaram interesse, muito menos os estudos. O que ele queria mesmo era se divertir. Porém, São Boaventura, seu contemporâneo, escreveu sobre ele: “Mas, com o auxílio divino, jamais se deixou levar pelo ardor das paixões que dominavam os jovens de sua companhia”.

Num dia simples, mas muito especial, num momento em que Francisco rezava sozinho na Igreja de São Damião, em Assis, ele sentiu que o crucifixo falava com ele,  repetindo por três vezes a frase que ficou famosa: “Francisco, repara minha casa, pois olhas que está em ruínas”. O santo vendeu tudo o que tinha e levou o dinheiro ao padre da Igreja de São Damião, e pediu permissão para viver com ele. Francisco tinha vinte e cinco anos.

Pedro Bernardone, ao saber o que seu filho tinha feito, foi buscá-lo indignado, levou-o para casa, bateu nele e acorrentou-o pelos pés. A mãe, porém, o libertou na ausência do marido, e o jovem retornou a São Damião. Seu pai foi de novo buscá-lo. Mandou que ele voltasse para casa ou que renunciasse à sua herança. Francisco então renunciou a toda a herança e disse: “As roupas que levo pertencem também a meu pai, tenho que devolvê-las”. Em seguida se desnudou e entregou suas roupas a seu pai, dizendo-lhe: “Até agora tu tem sido meu pai na terra, mas agora poderei dizer: ‘Pai nosso, que estais nos céus”.

Num dia simples, mas muito especial, num momento em que Francisco rezava sozinho na Igreja de São Damião, em Assis, ele sentiu que o crucifixo falava com ele,  repetindo por três vezes a frase que ficou famosa: “Francisco, repara minha casa, pois olhas que está em ruínas”. O santo vendeu tudo o que tinha e levou o dinheiro ao padre da Igreja de São Damião, e pediu permissão para viver com ele. Francisco tinha vinte e cinco anos.

Deus lhe concedeu o dom da profecia e o dos milagres. Quando Francisco pedia esmolas com o fim de restaurar a Igreja de São Damião, ele dizia:“Um dia haverá ali um convento de religiosas, em cujo nome se glorificará o Senhor e a Igreja“. A profecia se confirmou cinco depois com Santa Clara e suas religiosas. Ao curar, com um beijo, o câncer que havia desfigurado o rosto de um homem, São Boaventura comentou para São Francisco de Assis: “Não se há que admirar mais o beijo do que o milagre?”.

Trecho extraído do Santuário do Caraça

Imprimir