Cidadeverde.com
Geral

Preso terceiro suspeito no latrocínio de empresário em Teresina

Imprimir

Foto: divulgação PC-PI

O terceiro suspeito de envolvimento no latrocínio do empresário  latrocínio Rafael Soares foi preso nesta sexta-feira (07).  Dos sete investigados, três estão presos.  A participação de cada um foi detalhada no organograma que faz parte do inquérito policial do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Lucas Vinicius de Sousa Pereira, conhecido como Queijeiro, foi preso em cumprimento a mandado de prisão temporária. A investigação aponta que ele teria fornecido o carro que levou os executores para praticar o roubo que acabou resultando na morte do empresário. 

Foto: Renato Andrade/ Cidadeverde.com

"Ele é useiro e vezeiro na prática de crimes. O mandado foi cumprido no presídio Joge Vieira, em Timon-MA, onde ele já se encontra preso após o roubo de um carro naquela cidade, crime este que ocorreu depois do latrocínio do empresário. Ao ser interrogado, ele disse que só falaria em juízo. O Queijeiro foi o responsável por conseguir o carro roubado e clonado para a prática do crime contra o empresário", explica o delegado Francisco Costa, o Baretta, coordenador do DHPP, que afirma que o delegado responsável pelo caso, Danúbio Dias, pediu a conversão da prisão temporária em preventiva.

Leia mais: Morte de empresário em Teresina teria sete envolvidos; veja esquema

O empresário Rafael Soares foi alvo do grupo especializado em roubo de veículos na Capital que monitorava o empresário desde o dia 1º de setembro. O foco dos criminosos era roubar o carro da vítima, um Corolla, além do caminhão para transporte de gado e o dinheiro da venda dos animais. Contudo, a vítima teria esboçado um movimento de fuga e acabou baleado e morto. 

Além de Queijeiro foram presos Maycon Araújo de Moura, conhecido como Sapão, apontado como o líder, e o adolescentede de iniciais G.P.S, conhecido como Cigano, que seria o executor. 

"Em menos de 24 horas,  conseguimos identificar os matadores e, em um pequeno espaço de tempo, estamos cumprindo os mandados. Esperamos que continuem presos, pois o que vemos é que eles já praticaram vários crimes", completa Baretta. 

Graciane Araújo
[email protected]

Imprimir