Cidadeverde.com
Últimas

Baixa cobertura vacinal de poliomielite acende alerta para risco de retorno da doença

Imprimir

Foto: Erasmo Salomão/MS

O Brasil corre risco de retorno da poliomielite, doença causada pelo vírus da pólio e que havia sido erradicada na década de 1990, quando o país se tornou um local livre do patógeno.

Porém, a queda da cobertura vacinal e a diminuição da sensação de perigo da doença, aliadas a uma série de dificuldades estruturais do PNI (Programa Nacional de Imunização), puseram em xeque o certificado de erradicação da pólio. E, nos dois últimos anos, a pandemia da Covid agravou ainda mais esse cenário.

Em setembro, a Opas (Organização Pan-americana para a Saúde), braço nas Américas da OMS (Organização Mundial da Saúde), declarou o Brasil como país de muito alto risco para pólio.

De acordo com a pediatra e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim), Isabella Ballalai, o alerta de muito alto risco do país é devido a uma cobertura vacinal abaixo de 95% em crianças menores de cinco anos com a possibilidade de reintrodução do vírus a qualquer momento, como aconteceu recentemente em Nova York, o primeiro caso nas Américas desde 1994.

"Esse risco é definido por vários critérios, e o Brasil, além de não atingir mais a cobertura vacinal preconizada, também não consegue cumprir com os demais critérios", diz a médica.
Atualmente, no país, a cobertura vacinal da poliomielite em crianças de até cinco anos está em 61%, segundo dados do SI-PNI obtidos pela plataforma DataSUS. Nos anos anteriores, essa taxa já vinha caindo, de cerca de 80%, em 2016, para 70%, em 2020.

Os dados ainda incompletos para este ano mostram que a menor taxa de cobertura vacinal do país se concentra nas regiões Norte (38,8%) e Nordeste (41%), enquanto a cobertura mais alta é na Centro-Oeste (46,6%).

O esquema vacinal das crianças com menos de cinco anos consiste em um esquema primário, com vacina de vírus inativado (chamada de VIP) de três doses, aos dois, quatro e seis meses. Já o reforço é feito aos 15 meses e aos quatro anos de idade, com a vacina oral de vírus atenuado, a famosa vacina "da gotinha".

A reportagem ouviu seis especialistas para entender a situação atual do Brasil e, segundo eles, em primeiro lugar é preciso entender que a diminuição da cobertura vacinal é um fenômeno que tem múltiplos fatores e não é exclusivo do país.

"A queda nas coberturas vacinais é um fenômeno global, não é só aqui, e que acontece desde 2016 e 2017. Em 2018, após uma grande mobilização nacional com os gestores de saúde conseguimos recuperar [a cobertura vacinal], mas essa queda se acentuou em 2019 e, com a pandemia, esse trabalho ficou prejudicado", explica a epidemiologista e ex-coordenadora do PNI (de 2011 a 2019), Carla Domingues.

Segundo Domingues, alguns desses fatores são a própria percepção de falta de risco da doença, uma vez que ela foi erradicada, o desconhecimento da importância da vacinação e, mais recentemente, a disseminação de desinformações sobre imunização.

"Se a população não vê aquela doença como algo grave, embora ela ache importante vacinar, ela não vai priorizar a vacinação, e isso é um dos fatores que contribui para a queda", afirma.
Além disso, a dificuldade no acesso à vacina, dado o tamanho do território brasileiro e as diferenças regionais, é outro fator.

"Uma cidade do tamanho de São Paulo tem as suas estratégias para ampliar a vacinação, como abrir os postos aos finais de semana, durante a noite. Mas essas estratégias não são as mesmas do Amazonas, onde é preciso pensar em uma estratégia de levar a vacina ativamente para a população", diz.

Essas atividades, porém, ficaram prejudicadas nos últimos anos com a diminuição dos recursos voltados para comunicação, treinamento e priorização da campanha de vacinação nacional, segundo o infectologista Julio Croda, pesquisador da Fiocruz.

"As coberturas menores no Norte e Nordeste do país trazem a reflexão no que diz respeito ao acesso e o que está sendo feito ativamente. Quanto menor a presença de políticas de saúde da família no município, mais difícil será aumentar a cobertura", explica.

Para o infectologista, seria importante, no cenário atual, estratégias unificadas de priorização da vacinação. "Se aquele pai ou aquela mãe não consegue levar o filho para vacinar no posto em horário de trabalho, buscar fazer campanhas nas escolas, fazer uma busca ativa, são estratégias que podem funcionar e melhorar a cobertura."

A mesma visão é partilhada pelo pediatra e professor associado da Faculdade de Medicina da USP Gabriel Oselka. "Ninguém mais conhece um caso de poliomielite, não existe essa percepção de risco. Antes, a população adulta inteira era 'imunizada' pela chamada imunidade de rebanho por causa das altas coberturas vacinais e hoje, com a falta de percepção do risco, isso já deixou de ser uma realidade."

O médico, que coordenou ações de imunização no estado de São Paulo, lembra ainda que essa visão, aliada às fake news, criou um terreno fértil para a atuação dos grupos antivacina nos últimos anos.

A queda nas coberturas, aliada a outros dois fatores para os quais há pouca informação no país, como a vigilância ambiental (busca por amostras do vírus em redes de esgoto) e a notificação dos chamados efeitos adversos relacionados à vacina, pode ainda mascarar a real dimensão da circulação da pólio no país, explica o diretor de imunizações da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), Renato Kfouri. "A introdução da vacina oral como reforço aos 15 meses [1 ano e meio] e 4 anos faz com que o vírus seja naturalmente eliminado nas fezes, mas fazemos pouco a vigilância do vírus nas redes de esgoto."

Para a epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Ethel Maciel, é necessária a substituição completa da vacina atenuada pela de vírus inativado. "Em um país como o Brasil com muitas famílias sem saneamento básico e um cenário de baixa cobertura vacinal, é sem dúvida preocupante jogar vírus vacinal no esgoto, podendo causar uma reintrodução do vírus."

Um dos casos de notificação de efeito adverso grave possivelmente relacionado à vacina ocorreu no último dia 6, no Pará, quando a Secretaria de Estado de Saúde notificou a presença de poliovírus nas fezes de uma criança com paralisia flácida aguda, que pode ser um efeito relacionado à vacina. O Ministério da Saúde ainda não concluiu a investigação.

Na avaliação de Maciel, a recuperação da cobertura vacinal deve passar obrigatoriamente por uma política pública de priorização da imunização. "Sem dúvida o questionamento por parte de autoridades da saúde da segurança e da eficácia das vacinas contribuíram para essa diminuição nas coberturas. A operacionalização das campanhas, que é por parte dos municípios, ainda tem funcionado, mas se não há uma intenção nas três esferas para estimular a vacinação, vai ser difícil recuperar."

SAIBA MAIS SOBRE A POLIOMIELITE

O que é a poliomielite?
A poliomielite é uma doença infecciosa causada pelo vírus da pólio e se manifesta com mais frequência em crianças de até cinco anos de idade. Na maioria dos casos, a poliomielite é assintomática ou apresenta sintomas como febre, diarreia, vômito e dores no corpo, mas em cerca de 5% dos casos ela pode causar a paralisia infantil, com sequelas na vida adulta

Quais tipos de vírus da pólio?
Existem três tipos do vírus da pólio (sorotipo 1, 2 e 3). Atualmente, os casos de vírus selvagem em circulação são do tipo 1. As vacinas de vírus atenuado orais (VOP) são bivalentes e contém apenas as formas 1 e 3. Já as vacinas inativadas possuem a proteção também contra a forma 2.

Onde esses vírus ainda são encontrados?
Em praticamente todo o mundo, o chamado vírus selvagem da pólio foi erradicado, sendo endêmico atualmente em apenas dois países, o Paquistão e o Afeganistão. Em fevereiro de 2022, o Malawi, país da África Oriental, registrou pela primeira vez desde 2009 um caso de vírus selvagem no continente africano. O vírus era similar ao encontrado no Paquistão e foi classificado como um caso importado

Há cura? Como se proteger?
A poliomielite não tem cura, mas ela pode ser prevenida com a vacinação. Em 2010, a OMS preconizou que os países substituíssem a imunização com a vacina da poliomielite oral (VOP), da fabricante Sabin, pela vacina de vírus inativado (VIP), da fabricante Salk, uma vez que os casos de pólio vacinal continuam a aparecer todo ano no mundo devido à excreção nas fezes do vírus após a imunização com a vacina atenuada. A mudança, porém, é lenta e em muitos países pode causar os chamados surtos de pólio vacinal, como ocorreu recentemente em Nova York

Quando houve o último caso?
Foram registrados surtos de pólio vacinal em 2022 em Nova York (EUA) e em Israel. Além disso, amostras recolhidas do esgoto encontraram o vírus da pólio em Londres (Inglaterra). No Brasil, o último caso registrado de poliomielite foi em 1989, com alguns poucos casos até 1994 de vírus vacinal encontrado em amostras de crianças com suspeita de pólio vacinal

 

Fonte: Folhapress (Ana Bottallo) 

Imprimir