Cidadeverde.com
Política

Prefeitura monta comitê emergencial e reforça ações em áreas de risco

Imprimir
  • reunião_plano.jpg Renato Andrade/Cidadeverde
  • reunião_plano1.jpg Renato Andrade/Cidadeverde
  • prefeito_dr_pessoa_teresina.jpg Renato Andrade/Cidadeverde
  • secretario_edimilson_defesa_civil.jpg Renato Andrade/Cidadeverde
  • planod_e_inun.jpg Renato Andrade/Cidadeverde

O prefeito Dr. Pessoa (Republicanos) reuniu secretários municipais para definir ações de combate a desastres em Teresina durante o período chuvoso. Durante o encontro, um plano de ação foi apresentado para os gestores, que integrarão um comitê emergencial. 

Na reunião, também ficou decidido que as famílias das áreas de risco que ficarem desabrigadas não serão mais alojadas em escolas municipais,  e deverão ser encaminhadas para outros espaços.

O gerente de operações da Secretaria Municipal de Defesa Civil (Semdef), Marcos Rolf, explicou que o plano de ação contará com a participação de todas as secretarias.

“Nós precisamos das Saads, Strans, Detran, até outros parceiros como Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. Estão todos empenhados e foi essa a determinação do prefeito. É essa a determinação da gestão da prefeitura de Teresina para que a gente mantenha o plano de ação para qualquer situação”, destacou Marcos Rolf. 

Questionado sobre o plano apresentado, o gerente da Semdef explicou que ele ainda está sendo elaborado e que em tempo oportuno será apresentado. Nesse momento ficou definido a criação de um comitê na Saad Norte (umas das regiões mais atingidas em períodos chuvosos) e a vistoria de espaços públicos para viabilizar o alojamento de desabrigados nessas áreas. 

“As primeiras chuvas já iniciaram. Nós apresentamos para o prefeito que plano tem que ser imediatamente praticado, porque a população tá aí, a população precisa dessa resposta de emergência e nós estamos preparados para qualquer situação”, acrescentou Rolf. 

Marcos Rolf destacou também que Teresina tem atualmente 56 áreas de risco sendo monitoradas. As áreas mais críticas estão localizadas nas zonas Norte e Sul.  Na zona Norte o risco maior são os alagamentos porque as áreas de riscos estão próximas da região do Lagoas do Norte. Já na zona Sul o risco maior é com relação às casas que estão próximas a barrancos. 

Apesar das fortes chuvas que caíram na cidade nos últimos dias, o gerente garante que nenhuma família corre risco e apenas uma precisou deixar sua residência no dia 1º de novembro. 

“Nós monitoramos todas essas áreas durante todo o ano. Essas áreas foram determinadas pela CPRM. Eles têm essa área e a gente obedece. Isso não quer dizer que são necessariamente 56. Pode ser mais, pode ser menos. A equipe está preparada, junto com os bombeiros civis e os outros parceiros que eu falei aqui para que haja imediatamente uma ação caso haja necessidade”, completou Rolf. 

Ao final da reunião, Dr Pessoa falou sobre a importância de discutir o planejamento antes que as chuvas se intensifiquem mais. 

“Estamos achando que vai chover de maneira torrencial como foi no ano passado. Estamos discutindo preventivamente para evitar tragédias. As chuvas que caíram até o momento já surpreenderam pela quantidade e precisamos agir", afirmou Dr. Pessoa.

 

 

Nataniel Lima 
[email protected]

Imprimir