Cidadeverde.com
Economia

Projeção do Focus de alta do PIB de 2022 passa de 2,80% para 2,81%

Imprimir

Foto: Arquivo/Cidadeverde.com

O Boletim Focus divulgado na manhã desta segunda-feira, 28, mostrou nova alta no cenário de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022, ainda que marginal, mas estabilidade na projeção para 2023. A mediana para o crescimento do PIB em 2022 subiu de 2,80% para 2,81% contra 2,76% há um mês. Já a estimativa para a expansão do PIB em 2023 continuou em 0,70% ante 0,64% um mês antes.

Considerando apenas as 26 respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para o PIB no fim de 2022 passou de 2,81% para 2,78%. No caso de 2023, houve 26 atualizações nos últimos cinco dias úteis, com variação da mediana de 0,70% para 0,74%.

O Relatório Focus ainda mostrou manutenção na projeção para o crescimento do PIB em 2024, em 1,70%. Para 2025, a mediana foi mantida em 2,00%. Quatro semanas atrás, as taxas eram de 1,80% e 2,00%, nessa ordem.

Os economistas do mercado financeiro aumentaram a estimativa de déficit em conta corrente do balanço de pagamentos em 2022, conforme o Boletim Focus. A mediana deficitária passou de US$ 42,70 bilhões para US$ 44,07 bilhões, contra US$ 37,84 bilhões de um mês atrás.

Já para 2023, a projeção para o rombo em transações correntes passou de US$ 39,45 bilhões para US$ 39,75 bilhões. Há um mês, a expectativa era deficitária em US$ 32,34 bilhões.

A estimativa para o superávit da balança comercial em 2022 continuou em US$ 55,00 bilhões, contra US$ 56,15 bilhões de um mês atrás. Para 2023, a projeção não sofreu mudanças e permaneceu em US$ 56,00 bilhões, mesmo valor esperado há quatro semanas.

Para os analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será mais do que suficiente para cobrir o rombo em transações correntes nesses anos. A mediana das previsões para o IDP em 2022 permaneceu em US$ 80,00 bilhões, ante US$ 74,21 bilhões de um mês atrás. Para 2023, ficou em US$ 75,00 bilhões, de US$ 71,00 bilhões há quatro semanas.

 

Fonte: Estadão Conteúdo 

Imprimir