Cidadeverde.com
Vida Saudável

Mais de 94% dos casos de asfixia por engasgo ocorrem em crianças menores de sete anos

Imprimir

 

Foto: Arquivo/Cidadeverde.com

 


A asfixia é a dificuldade ou interrupção da respiração que leva à falta de oxigênio no organismo. Casos por engasgo geralmente ocorrem quando a criança leva à boca ou ao nariz qualquer objeto que restrinja a passagem de ar. O maior risco está na possibilidade do objeto ser aspirado para o pulmão.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, a aspiração de corpo estranho é observada principalmente nas crianças do sexo masculino, na faixa etária de 1 a 3 anos. Mais de 50% das aspirações ocorrem em crianças menores de 4 anos e mais de 94% antes dos 7 anos de idade.

Até os três anos, a criança não controla a mastigação e a deglutição de alimentos devido à falta dos dentes molares, estrutura importante na trituração de comida sólida. A oferta de alguns alimentos a crianças nessa faixa etária, como amendoim, feijão, pipoca e milho, apresenta risco de aspiração pois elas engolem sem mastigar. Qualquer distração, risada, brincadeira ou susto pode causar um acidente. Além disso, crianças nessa idade têm por hábito levar objetos à boca.

Qualquer material pode se tornar um corpo estranho no sistema respiratório. A maior suspeita de que um acidente ocorreu é o engasgo. Logo após a aspiração de algum objeto, acontece um acesso de tosse, seguido de engasgo. A aspiração também deve ser considerada quando há um quadro súbito de chiado no peito em crianças sem casos de alergia na família.

Alguns sinais devem ser alertas para uma suspeita de aspiração:

-Tosse persistente;
-Chiado no peito;
-Falta de ar súbita;
-Rouquidão;
-Lábios e unhas arroxeadas.


Quando a aspiração do corpo estranho é parcial, a criança pode tossir e esboçar sons. Nessa situação, o melhor procedimento é a não intervenção no ambiente doméstico e encaminhamento a um serviço de saúde para tratamento definitivo.

Mas quando a aspiração do objeto é total, a criança não consegue esboçar qualquer som, além de apresentar outros sinais, como falta de ar e lábios arroxeados. Nesses casos, deve-se proceder da seguinte maneira:

Maiores de um ano: manobra de Heimlich, que consiste em compressões abaixo das costelas, com sentido para cima, abraçando a criança por trás até que o corpo estranho seja deslocado da via aérea para a boca e expelido.

Menores de um ano: 5 batidas com a mão na região das costas, a criança com a cabeça virada para baixo, seguida de 5 compressões na frente até que o corpo estranho seja expelido ou a criança volte a responder e reagir.

A manobra de Heimlich é uma técnica de primeiros socorros que pode ser feita por qualquer pessoa treinada, independentemente de ser ou não um profissional de saúde. Pais e cuidadores devem ter conhecimento para executá-la corretamente.

O atendimento à obstrução de vias aéreas e consequente asfixia é um procedimento de urgência, onde profissionais de saúde buscam reestabelecer a via aérea do paciente com a maior rapidez e eficácia possíveis, de acordo com cada caso específico.


Cuidados na primeira infância

Durante a primeira semana de dezembro, o Ministério da Saúde divulga uma série de conteúdos sobre cuidados específicos na primeira infância, momento que contempla a faixa etária de zero a seis anos de idade. Acompanhe.

 

Fonte: Ministério da Saúde

Imprimir