Cidadeverde.com
Vida Saudável

Desidratação extrema é risco em dias quentes e pode levar a convulsões

Imprimir

Foto: Freepik 

O apresentador da NBA (Associação Nacional de Basquete, em português) Bob Rathbun, 69, teve um mal súbito durante a transmissão de uma partida do Atlanta Hawks contra o Oklahoma City Thunders, na última segunda-feira (5). Rathbun estava ao vivo quando passou a ter espasmos e caiu para trás na cadeira, perdendo a consciência.

A transmissão foi cortada e, segundo nota divulgada à imprensa, Rathbun foi atendido rapidamente pela equipe médica e tratado para desidratação. O diagnóstico foi questionado nas redes sociais, devido à aparente gravidade da situação do narrador, que pareceu ter convulsionado na transmissão. Contudo, a falta de líquidos no corpo pode sim levar a consequências graves para o organismo e deve ser um ponto de atenção na temporada quente.

A desidratação ocorre quando há uma baixa concentração de líquido e sais minerais no corpo, o que pode afetar o funcionamento de diversos órgãos. Ela pode ocorrer pela ingestão inadequada de alimentos e água e também por interferência de outros fatores, como vômitos, diarreia, suor intenso e doenças como insuficiência renal e diabetes.

Segundo a nutricionista Debora Lima, o quadro de desidratação também pode ser piorado quando se pratica atividade física de alta intensidade em altas temperaturas.

COMO SE CUIDAR EM DIAS MUITO QUENTES

Ondas de calor têm sido cada vez mais comuns ao redor do mundo, e em dias muito quentes, com transpiração intensa, o organismo tende a eliminar água e substâncias em quantidade elevada. "Por isso, precisamos nos manter bem hidratados e evitar bebidas e alimentos que aumentem a desidratação, como comidas muito salgadas e fritas e bebidas alcoólicas", recomenda Lima.

Também é importante buscar sombras para se refrescar sempre que possível e manter um bom consumo de água. Não é recomendado praticar exercícios físicos nesses casos.

Alguns sinais clássicos de desidratação leve são suor excessivo, boca seca e dor de cabeça e podem ser um bom indicativo de que é preciso ingerir mais água e comer alimentos saudáveis e naturais. "Um dos sintomas leves da desidratação é o inchaço, pois o nosso corpo usa como mecanismo a retenção de líquidos na tentativa de nos manter hidratados, mesmo quando não ingerimos água o suficiente", destaca Lima. Contudo, quando a situação persiste, podem surgir ainda outros sintomas.

Tontura, fraqueza, queda de pressão arterial, confusão mental e até mesmo convulsões são consequências de casos graves de desidratação. O médico clínico geral Vital Araújo destaca que a falta de água interfere no funcionamento neurológico do organismo. "Você acaba não tendo tanto sangue para oxigenar o cérebro e pode levar a convulsões e vários outros sintomas neurológicos", explica.

Quando as temperaturas são muito elevadas e os sintomas mais graves da desidratação começam a aparecer, é necessário fazer uma reidratação observada. Lima ressalta que o consumo de grandes quantidades de água de uma só vez pode ser prejudicial.

Em alguns casos, é necessário o uso de soro de reidratação, que pode ser encontrado em farmácias e postos de saúde. "Quando essa não for uma opção tem o soro caseiro, que pode ser feito com 1 litro de água mineral, filtrada ou fervida já fria, misturada a 1 colher de sopa de açúcar e 1 colher de café de sal", orienta Lima. Isso deve ser consumido em pequenas quantidades ao longo do dia.

Quando são apresentados sintomas moderados a grave, também é recomendado procurar por uma unidade de saúde. Araújo também destaca que, quando há sangramentos em excesso ou diarreia e vômitos recorrentes, é importante recorrer a ajuda médica para investigar e tratar a causa desses sintomas.

Temperaturas extremamente altas associadas à desidratação podem ser um risco até mesmo para o choque hipovolêmico, que ocorre devido à falta de líquido e redução do volume de sangue do corpo. "Isso interfere no funcionamento de órgãos como rins, fígado e cérebro", explica Araújo. Em casos graves, pode levar ao coma e até mesmo à morte.

Além de evitar situações que levam à transpiração em excesso, é importante manter uma boa rotina de hidratação. Lima recomenda "andar sempre como uma garrafinha perto de você e tentar ir se observando para beber a quantidade ideal. E observar a cor da sua urina. Se ela estiver muito amarelada ou amarronzada, pode ser sinal de diferentes níveis de desidratação."

 

Fonte: Folhapress (Gabriella Sales)

Imprimir