Cidadeverde.com
Geral

Piauiense confirma que deu caneta a Lula e faz pedido ao presidente

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com 

O militante do Partido dos Trabalhadores, Fernando de Menezes, 58 anos, viralizou nas redes sociais após o presidente Lula revelar no último domingo (01) que assinou o termo de posse com uma caneta dada por um piauiense em 1989.

Fernando é casado, tem três filhos, um deles cadeirante, e mora há 36 anos em Altos (a 37 km de Teresina). Ele é filiado ao PT desde 1985, e teve a ficha de filiação ao partido assinada por Lula. Durante a entrevista que concedeu nesta terça-feira (3) ao Cidadeverde.com, o militante foi informado do nascimento do seu primeiro neto.

Fernando de Menezes disse que ficou surpreso com a declaração de Lula na posse e explicou como adquiriu a caneta citada pelo presidente. 

"Eu estava em Picos fazendo campanha para o Lula, em 1989, quando parei em um boteco e lá tinha umas canetas penduradas. Hoje esse boteco não existe mais. Comprei duas canetas, mas não me lembro do valor, porque eu sempre precisava andar com caneta. Aí chegando em Teresina teve um comício, e Lula estava lá, e quando ele precisou assinar os nomes de quem estava lá, eu dei a caneta e até brinquei, que era para ele usar ela quando fosse assinar a posse", afirmou.

O militante do PT disse ainda que espera que o presidente use a caneta para trazer investimentos ao Piauí. Ele destaca que vai cobrar ações para o estado e que quer ter a oportunidade de se encontrar novamente com Lula. 

"O Lula homenageou o Piauí. Somos um estado que precisa de obras, de melhorar as condições de vida do povo. A ampliação da BR de Teresina a Parnaíba, da rede ferroviária até Luís Correia para as famílias poderem se deslocar, da melhoria da educação. Então eu vou cobrar dele sim, e espero que sejam usadas muitas canetas para poder melhorar o nosso estado", declarou Fernando, que também defendeu apoio do governo federal para as universidades piauienses. 

Foto: Arquivo Pessoal 

Polêmicas

Fernando de Menezes ainda comentou o fato de outras pessoas terem aparecido na mídia afirmando serem responsáveis pela entrega da caneta. 

"Sei que fui eu que dei, em 1989, ali na praça Pedro II. Eu não sei nem o que dizer dessas outras pessoas que estão falando isso. São pessoas que eu até conheço e não quero entrar na discussão. Outras pessoas deram caneta para ele, mas essa de 1989, eu dei para ele, e não esqueço nunca que disse para ele assinar o termo de posse", lembrou. 

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com 

Sobre a polêmica que a caneta assinada por Lula seria uma Mont LeBlanc, que custa mais de R$ 1 mil, ele avaliou que o importante a simbologia por trás da lembrança de Lula em relação aos piauienses.

"A caneta que eu dei era diferente, era simples, mas não lembro muito bem. O importante é a história que é bonita, foi uma homenagem ao Fernando, foi uma homenagem ao povo piauiense. Isso que é importante", afirmou.

Fernando disse ter sido procurado por representantes da caneta Bic, mas que informou que a caneta que ele deu para o presidente era diferente da comercializada por eles. 

 

Bárbara Rodrigues
[email protected] 

Imprimir