Cidadeverde.com

Grupo investigado por fraude corporativa no Piauí chegou a faturar R$ 100 mil por semana

Imprimir
  • operação_parasitas_1_ok.jpg Ascom SPP-PI
  • operação_parasitas_2_ok.jpg Ascom SPP-PI
  • operação_parasitas_3_ok.jpg Ascom SPP-PI
  • operação_parasitas_4_ok.jpg Ascom SPP-PI
  • operação_parasitas_5_ok.jpg Ascom SPP-PI
  • operação_parasitas_6_ok.jpg Ascom SPP-PI

Por Adriana Magalhães

O grupo criminoso desarticulado nesta quarta-feira (15) suspeito de fraude corporativa contra lojas de departamento do Piauí, chegou a faturar R$ 100 mil por semana, com esquema criminoso.  

Veja também:

O rombo foi encontrado por uma auditoria interna do grupo empresarial vítima do esquema e informado à Polícia Civil, que iniciou a investigação há cerca de oito meses. Os indícios apontam que o esquema criminoso funcionava, pelo menos, desde 2021 e há provas de que outras empresas possam ter sido vítimas dessa quadrilha. 

O delegado Anchieta Nery, do Departamento de Inteligência ds Policia Civil do Piauí, explicou como o esquema funcionava. 

"O grupo vítima possui uma frota de veículos robusta e possuem um departamento  para realizar a manutenção desses veículos e o valor das peças era superfaturado", disse o delegado. 

Fotos: Renato Andrade / Cidadeverde.com

O delegado explicou ainda, que as peças adquiridas pelas empresas era superfaturadas, assim a empresa vítima pagava um valor maior do que o bem realmente vale. A diferença era dividida entre as pessoas envolvidas no crime. 

Em outras frentes, a organização criminosa realizava emissão de notas fiscais frias na venda de produtos e serviços. E, ainda, subtraia produtos do almoxarifado do grupo empresarial. As empresas que participavam do esquema eram de pequeno porte e não tinham estrutura para movimentar os recursos que apareciam nas notas fiscais. 

"Verificamos que as empresas investigadas tem pequeno porte e não possuem estrutura para faturar o montante encontrado nas notas fiscais.Em algumas empresas verificamos que foram emitidas notas fiscais sequenciadas para a empresa vítima e em outras não foram emitidas nenhuma nota para outro cliente, somente para o grupo empresarial que denunciou o crime", disse o delegado Yan Braynne, diretor de Inteligência da Polícia Civil.

Ao todo, foram presas 23 pessoas, suspeitas de participar do esquema criminosos que desviou mais de R$ 4 milhões.

Três delas são ex-funcionários de um grupo empresarial piauiense. Eles foram demitidos após a auditoria interna apontar a irregularidade no setor de manutenção de veículos. 

Os demais presos atuam em empresas sediadas em Teresina e no Rio Grande do Norte que faziam a emissão de notas fiscais superfaturadas e notas fiscais frias.

 

Você pode receber direto no seu WhatsApp as principais notícias do CidadeVerde.com
Siga nas redes sociais