Cidadeverde.com
Geral

Dono de posto diz que mulher envolvida em briga não era Fernanda

Imprimir
Após o bárbaro assassinato da estudante de Direito Fernanda Lages Veras, diversas hipóteses, algumas pouco embasadas e outras que chegam a ser fantasiosas, circulam entre a população. Com inúmeras informações vindas de várias fontes, a Polícia Civil mantém a cautela e continua realizando a oitiva das testemunhas do crime. 


Na manhã desta sexta-feira (26), os dois vigias da obra do Tribunal Regional do Trabalho, que fica ao lado da construção onde a jovem foi encontrada morta, prestam depoimento no 5º DP. 


Após duas horas com o delegado Mamede Rodrigues, o vigia Miguel Joaquim da Silva, 39 anos, que estava recebendo o plantão, saiu do distrito. Ele relatou à polícia que só viu uma pessoa entrando na obra do prédio ao lado por volta das 5h30 e não fez a abordagem porque sentiu medo da reação. 

O vigia que ficou durante a madrugada, Domingos Pereira da Silva, está depondo mais uma vez neste momento. 

O delegado Mamede ainda sustenta que o crime pode ter tido motivo passional ou outra motivação eventual, como vingança. 

No local onde aconteceu o assassinato da jovem, que já foi visitado por policiais duas vezes após a retirada do corpo da vítima, os operários voltaram a trabalhar normalmente. 

Posto
Há uma teoria que corre entre a população de que Fernanda teria sido vista sendo agredida em um posto de gasolina na avenida Nossa Senhora de Fátima, próximo a uma boate que freqüentou na noite anterior à sua morte. 

O gerente do posto, identificado apenas como Macedo, falou com o CidadeVerde.com. Ele relata que as imagens do circuito de segurança foram encaminhadas ao 5º DP, mas adianta que não foi possível identificar a vítima, Fernanda Veras, nem o carro dela. 

Segundo Marcelo, este boato surgiu porque no mesmo dia houve uma briga no posto, entre outras pessoas. “Um flanelinha falou pra imprensa que uma mulher envolvida na briga seria Fernanda, mas isso não foi comprovado”, pontua. 


Flash de Yala Sena
Caroline Oliveira
Redação Carlos Lustosa Filho
Imprimir