Cidadeverde.com
Esporte

Solonei Silva vence maratona com sobras e é ouro em Guadalajara

Imprimir
Última prova do atletismo nos Jogos Pan-americanos de Guadalajara, a maratona  teve um brasileiro como grande vencedor. Solonei Rocha da Silva se destacou ao correr em um ritmo bastante forte e abrir distância para os rivais desde o começo da prova, liderando de ponta a ponta os 42.195 metros sem sustos e faturando a medalha de ouro.





Solonei foi acompanhado por outro atleta brasileiro, Jean da Silva, mas era o favorito para a prova, por ter um tempo melhor que o compatriota na carreira (2h11min32s, a melhor marca dentre todos os competidores). Ex-catador de lixo, ele afirmou antes da prova que realizava o seu sonho ao disputar a maratona nos Jogos Pan-americanos.


E ao ver o seu sonho realizado, ele não se intimidou. Desde o início imprimiu um forte ritmo, se desprendendo do pelotão da frente, ficando apenas com alguns adversários mais próximos. Parecendo sentir fortemente o calor, mas tendo boa resistência, ele conquistou a ótima marca de 36min32s na primeira medição parcial, feita nos 10km.


Solonei continuou correndo praticamente sozinho, com seus primeiros rivais a cerca de 15 segundos de distância. Na parcial de 20km, o mexicano Carlos Cordeiro também se desgarrou do pelotão e ficou com a segunda colocação. Jean da Silva esteve no segundo pelotão, mas não conseguiu acelerar para se desprender dos rivais.


Após a metade da prova, Solonei acelerou mais e Cordeiro perdeu rendimento, deixando o brasileiro isolado na liderança e com uma diferença de 25 segundos para o segundo colocado. Cinco minutos depois, a vantagem aumentou para 45s, e quando o brasileiro atingiu os 30km, já tinha 1min15s de diferença, com 1h36min de prova.


A vantagem de Solonei aumentou até o cronômetro chegar a duas horas. Sabendo das chances claras de medalha de ouro, o brasileiro já pegou da torcida uma bandeira do Brasil, a qual segurou até os metros finais. O colombiano Diego Colorado até tentou, com um sprint final, se aproximar. No entanto, ele ficou 1min03s atrás de Solonei, que cruzou a linha de chegada com o tempo de 2h16min37s.


Solonei, no entanto, não conseguiu quebrar o recorde da maratona. O tempo mais rápido vigora desde 1983, no Pan-americano de Caracas, feito pelo portorriquenho Jorge González, com 2h12min43s. Apesar disso, foi campeão com sobras, e ainda incentivou o compatriota, Jean da Silva, que terminou em nono.


Dois colombianos, Diego Alberto Colorado e Juan Carlos Cardona, ficaram com o segundo e terceiro lugares, respectivamente, faturando a prata e o bronze.


O resultado deixou o Brasil com 48 medalhas de ouro - mas, com apenas mais duas medalhas em disputa (rúgbi e basquete) já não há mais chances de recuperação do segundo lugar na clssificação geral, ocupado por Cuba, com 58 ouros. Os Estados Unidos tem, atualmente, 92 ouros.



Fonte: Gazeta

Imprimir