Cidadeverde.com
Geral

Estudantes descem para Custódia; Polícia promete 500 homens na rua

Imprimir
Em reunião com a cúpula de segurança, o secretário Raimundo Leite informou que serão colocados 500 policiais e a ordem é desobstruir a via. Ele está reunido com o comandante da Polícia Militar, coronel Rubens Pereira, promotora Clotildes Carvalho, coordenadora de Gerenciamento de Crises, coronel Julia Beatriz, comandante da Rone, capitão Fábio Abreu e o delegado geral James Guerra. 

Fotos: Yala Sena


Dos 17 presos, 7 foram levados para a Casa de Custódia e duas mulheres para o presídio feminino. Os manifestantes não conseguiram arrecadar os R$ 6.220,00 de fiança para a soltura. 

A avaliação da cúpula sobre a ação de ontem, é que a ordem foi mantida e que a polícia está identificando um grupo denominado de narcopunks, que inflama o movimento e quando há confronto eles fogem. 

O secretário Raimundo Leite ressalta que a manifestação é livre e inclusive a polícia dará segurança a quem protesta de forma pacífica, mas não irá aceitar quem depredar o patrimônio público e quem incita ao crime. 

“A manifestação pode ser feita nos canteiros de forma ordeira. Se houver bloqueio da avenida, não aceitaremos. A ordem é desobstruir”, destaca Raimundo Leite . 


Ele disse ainda que foi identificado um grupo que queria invadir o supermercado e que não vai tolerar esse comportamento. 

Promotora pedirá prisão preventiva

A promotora Clotildes Carvalho disse que vai pedir a prisão provisória dos detidos e se tiver antecedentes vamos pedir a preventiva. “Só sairão com ordem judicial”, enfatizou. 

Para a coordenadora de Gerenciamento de Crises, coronel Júlia Beatriz, é impossível prever o nível que a situação vai alcançar hoje, mas se não houver regressão, mais prisões irão ocorrer. 


“Nenhum policial estava com arma de fogo. Os funcionários que foram detidos estavam insuflando a manifestação: um da panificadora e dois do supermercado”, destacou a oficial da PM.

Agressão a jornalistas

O tenente coronel José Fernandes Albuquerque, comandante de Policiamento da Capital, esclareceu que a polícia não está agredindo e nem recolhendo material máquina fotográfica e câmeras filmadoras da imprensa. Ele disse que se alguém estiver agindo assim é sem autorização do comando, mas afirma que não foi policial. 

“Se alguém tomou câmara de jornalista não foi a PM”, disse ele. O coronel afirmou que estão analisando imagens para verem se há pessoas infiltradas se passando por policiais para fazerem esse tipo de ação.

Fiança

Em relação à fiança, o delegado geral James Guerra disse que pela lei, pode ser arbitrada fiança de um a 100 salários mínimos, dependendo da gravidade dos fatos e em função da condição econômica dos presos. O valor é estipulado pelo delegado de plantão.

Durante os sete dias de movimento, pelo menos 22 ônibus já foram depredados e dois incendiados. Somente ontem, 17 pessoas foram presas. Para hoje, além do 500 policiais, mais 130 viaturas estarão na avenida para tentar manter a ordem e a livre passagem.

Reação dos estudantes

Os manifestantes a todo momento reagem a ação da polícia, realizada ontem(10), na avenida Frei Serafim. Nesta manhã, no Facebook, uma convocação está sendo compartilhada por usuários, marcando uma reação. A imagem já foi compartilhada 463 vezes, 127 curtições e 63 comentários, até este momento (11h).

Reprodução Facebook



Matérias relacionadas:



Flash de Yala Sena e Jordana Cury
Redação Caroline Oliveira
Imprimir