Cidadeverde.com

Mãe pagou plano funerário uma semana antes do assassinato de advogada

Foto: reprodução Facebook

A investigação do assassinato da advogada Izadora Mourão, 41 anos, revela que a família seria dividida em núcleos familiares, ou seja, a mãe defendia os irmãos e o pai, que morreu, apoiava mais Izadora. 

Nesta quinta-feira (18), o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) ouviu cerca de dez testemunhas em depoimentos que demoraram cerca de 10 horas. Durante diligências em Pedro II, cidade onde ocorreu o crime, foi confirmado que a mãe de Izadora quitou o plano funerária da família que estava atrasado há dez meses. O pagamento foi realizado na semana anterior ao crime.

O irmão da vítima- o jornalista João Paulo Mourão -  permanece preso preventivamente. A mãe também pode ter participação no crime. Até o momento, investigação do DHPP aponta que ela teria criado um álibi para proteger o filho. 

Foto: reprodução Facebook

O advogado Mauro Benício Júnior, nomeado pela OAB Piauí para acompanhar o caso, conta que a informação sobre a atualização do plano funerária foi repassada à OAB e levada ao DHPP. 

"O trabalho do delegado Danúbio e da sua equipe tem sido muito bem feito. A OAB está pelas investigações e nisso recebemos essa informação que o plano funerário da família estava atrasado há dez meses e no dia 02 de fevereiro a mãe de Izadora foi lá e pagou. Isso era só uma denúncia, mas repassamos ao DHPP que confirmou que era verdade", explica Mauro Benício.

FAMÍLIA DIVIDA EM NÚCLEOS FAMILIARES

Mauro Júnior -  que mora na cidade e acompanha de perto a investigação- conta que está claro que a família de Izadora era dividida em núcleos familiares. Com a morte do pai de Izadora, falecido há cerca de um ano em decorrência de um câncer- a advogada teria ficado desprotegida. 

"Com a morte do pai, a Izadora ficou vulnerável. Ele amava muito a filha e tudo era pra ela. Do outro lado tinha a mãe que protegia o João Paulo e o irmão dele. Era muito claro que tinha o grupo da mãe e do pai. Mensagens no celular da Izadora mostra que havia várias discussões entre ela e o João Paulo e isso coincidiu com o depoimento de algumas testemunhas. Acredito que a questão patrimonial foi a gota d'água. A herança instigou e queriam tirar a Izadora de perto", relatou Benício. 

O Cidadeverde.com divulgou ontem (18)  um bilhete em tom de desavenças assinado com o nome de João Paulo e direcionado à advogada Izadora Mourão.

 

IZADORA TEMIA PELA VIDA

Ao todo, cerca de dez testemunhas foram ouvidas, entre essas, o namorado, a diarista, uma vendedora de roupas que chegou a ser citada na versão da família, o ex-marido, a filha da vítima e a própria mãe da Izadora que, orientada pelo advogado, ficou em silêncio. 

Durante o depoimento de testemunhas relatos que apontam que Izadora temia pela vida. 

"Testemunhas contaram ao DHPP que um dia Izadora jogou fora uma quentinha que havia recebido da mãe como se estivesse com medo de que tivesse envenenada. Até pra dormir, ela colocava objetos na porta para caso alguém abrisse, ela ouvisse o barulho antes. O DHPP está fazendo um excelente trabalho desconstruindo a versão da família de que uma vendedora matou Izadora e construindo uma versão baseada em todo um corpo de provas. A OAB está pela verdade e estamos muito satisfeitos com a investigação do crime", conta o advogado Mauro Benício. 

O resultado de exames solicitados pelo DHPP serão fundamentais para esclarecer o caso. As perícias serão realizadas pelo Instituto de Criminalística e Instituto de DNA Forense do Piauí. 

Izadora foi assassinada na casa da família com sete perfurações de faca na região do pescoço e no peito. Ela morava no mesmo terreno da família onde de um lado era a casa e um cômodo funcionva como escritório da advogada e na outra ponta do terreno funciona um instituto de educação e uma pousada onde a advogada, geralmente, dormia. 

No dia do crime, Izadora Mourão foi encontrada morta no quarto do irmão que nega a autoria do crime. 

 

Graciane Sousa
[email protected]