Cidadeverde.com

Pega de Boi no Mato celebra a profissão secular do vaqueiro na comunidade São Luís

Fotos: Laudiceia Uchôa

Na zona rural de Pedro II, a 220km de Teresina, ainda é comum encontrar homens vestidos de couro, guiando a boiada ou correndo atrás dos animais desgarrados. O manejo com os bovinos é de responsabilidade do vaqueiro e, no estado, esse trabalho rural é passado de geração em geração. O evento Pega de Boi no Mato celebra essa tradição com uma importante festa no sábado, 28 de maio, na zona rural de Pedro II, na comunidade São Luís. 

Para Fernando Uchôa, vaqueiro desde os sete anos de idade, essa não é só uma profissão, mas uma missão de levar adiante uma tradição secular que  ajudou a construir a história do Piauí e que continua movimentando a economia dos municípios piauienses. "Correr gado é uma paixão que está no sangue. Eu herdei do meu avô Manoel Fernandes, que era cearense entusiasmado, mas muito forte e corajoso" diz Fernando que, com a ajuda de amigos, já venceu muitas competições de Pega de Boi no Mato. A partir dessa história, surgiu em 2016 a primeira Pega de Boi no Mato Manoel Fernandes que  tem como objetivo dar visibilidade aos vaqueiros de Pedro II e região, além de movimentar a economia da comunidade.

Após dois anos parado por causa da pandemia de covid-19, o evento volta a ser realizado no dia 28 de maio. Dona Altina Uchôa, que é uma das organizadoras da festa e presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares de Pedro II, lembra que o evento já reuniu mais de quatro mil pessoas em edições anteriores.  Para ela, é uma alegria receber tantos vaqueiros em sua residência. "Eu tenho muito orgulho do meu filho que é vaqueiro e como aqui em casa sempre foi movimentado, o evento veio pra agregar mais ainda as pessoas. Aqui participam vaqueiros do Piauí e do Ceará e a gente oferece aos participantes café da manhã, almoço e muito forró".

O senhor Francisco Carneiro, mais conhecido como "Teixeira", que também é vaqueiro e organizador do evento, chama todos os vaqueiros da região para participar da atividade cultural. " É uma alegria muito grande receber os amigos depois desses anos difíceis por causa da pandemia. Mas, com quase todo mundo vacinado, a gente pode se confraternizar de novo e celebrar a nossa cultura”, conta.

O evento terá início às 7h com café da manhã na casa da Dona Altina. Às 8h será realizado um momento de oração em homenagem aos vaqueiros e colaboradores da ação que morreram nesses últimos anos. Em seguida começa as inscrições da Pega de Boi no Mato e, ao término da competição, haverá um almoço para os vaqueiros e em seguida a premiação do 1°,2° e 3° colocados. Também terá um concurso de Forró com premiação para o melhor casal. A animação ficará por conta do cantor Naldo Tigrão e Banda, de Pedro II, e Manoel Rock e os incansáveis, de Santa Teresa -  Ceará.

Pega de boi no mato

A tarefa é secular. Pegar o boi dentro do mato fechado. Por cima de pau e pedra, enfrentando cipós e mandacarús, a Pega de boi no mato é um esporte que vem sendo praticado na zona rural de Pedro II. Tem conquistado cada vez espectadores e amantes de cavalos. 

Na hora que dispara o cronômetro, com seu cavalo vistoso e em alta velocidade, o vaqueiro entra na vegetação. 

A meta é cortar a "marra do boi" (que é um cordão colocado no pescoço do animal, fino para facilitar a retirada pelo vaqueiro e não maltratar o animal) quem fizer isso mais rápido , vence a disputa.

Esta figura histórica, apesar dos seus grandes feitos, ainda é marginalizada e como diria Luiz Gonzaga "esquecido nas quebradas do sertão", mas na Pega de boi no Mato ,o vaqueiro é protagonista e dono da festa.


Da Redação
[email protected]