Cidadeverde.com

Programa aumenta rentabilidade de jovens estudantes do campo

A produção de alimentos biofortificados no Piauí promete dar grande reforço à agricultura familiar e à merenda escolar com o Programa Produtores do Futuro. Em Pedro II, a Escola Família Agrícola Santa Ângela e o Laboratório Lar Maria da Cruz desenvolvem, desde 2011, o programa que aumenta a rentabilidade dos produtos agrícolas e está trazendo de volta o jovem para o campo.


Com o objetivo de implantar Unidades Administrativas nas Escolas Agrotécnicas para a transferência de tecnologia de produção, o programa serve como estágio supervisionado obrigatório para os estudantes da Educação Profissional. No Piauí, o programa piloto do Produtores do Futuro tem o período de três anos para ser desenvolvido, beneficiando aproximadamente três mil alunos.


“Além de aprender, poderemos vender os produtos e repassar a tecnologia do aumento de produção em menores áreas plantadas para nossas famílias, reforçando nossa renda”, declara Domingos Júnior, aluno do 3° ano de agropecuária.

Em Pedro II, os alunos estão passando por cursos promovidos pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para elaboração de projetos na requisição de recursos públicos. Nos cursos também são mostrados os passos técnicos e burocráticos para habilitação dos agricultores na venda desses produtos as instituições públicas


Entenda o que são alimentos biofortificados
O projeto de biofortificação de alimentos – BioFORT – trabalha o melhoramento genético convencional de alimentos básicos como arroz, feijão, milho, mandioca, feijão-caupi, batata-doce, abóbora e trigo. O objetivo é obter alimentos com maior teor de ferro, zinco e pró-vitamina A para combater a anemia. A deficiência desta vitamina que podem ocasionar baixa resistência do organismo e problemas de visão.


Da Editoria de Cidades
Cidades@cidadeverde.com