Cidadeverde.com

"Ele tomou banho e dormiu", diz delegado sobre suspeito de estuprar bebê

  • 330a5ba6-f6b2-468f-8d83-84bb83a49ab6.jpg
  • pedro222.jpg
  • pedro9.jpg
  • pedro8.jpg
  • pedro7.jpg
  • pedro6.jpg
  • pedro5.jpg
  • pedro4.jpg
  • pedro3.jpg
  • pedro2.jpg

Com apenas 17 anos, o menor infrator apontado como o responsável por violentar sexualmente um bebê no município de Pedro II, acumula no histórico outras duas tentativas de estupro. O delegado Willame Moraes, gerente de policiamento no interior, acrescenta que o suspeito confessou o ato infracional com frieza na frente da mãe, promotor de Justiça, Conselho Tutelar e Polícia Civil. Em depoimento, ele disse também que após os abusos, jogou água na criança para limpar o sangue, foi para casa, tomou banhou e dormiu. 

"Há alguns dias do crime, ele tentou estuprar uma vizinha e no mesmo dia do estupro do bebê ele tentou invadir uma casa próximo ao trabalho dele, mas foi reconhecido. Em poucos dias, foram duas tentativas de estupro e um fato consumado. Ele contou com detalhes e confessou todo o delito de forma fria, não mostrou arrependimento. Ele disse que só teve medo após a prática do delito, pela gravidade do crime, disse que ficou com medo de que algo pudesse acontecer com ele. Então, foi até à sua residência, pegou uma garrafa de refrigerante, encheu com água, voltou ao local, limpou a criança e a colocou próximo a uma rua onde fica um matagal...retornou pra casa, tomou banho e foi dormir", disse Moraes. 

O menor de idade foi apreendido no fim da tarde desta terça-feira (09), um dia após prestar depoimento. O delegado explica também que já tinha ouvido a mãe do adolescente que tentou defender o filho. As contradições levaram a Polícia Civil à autoria do crime. 

"O histórico do menor e as contradições nos depoimentos dele e da mãe levou com que a gente retornasse na casa dele para conversar novamente com ele. Primeiro, a mãe disse que ele tinha chegado às 22h, mas ele chegou às 2h; Depois, ela disse que ele tinha bebido um copo de bebida, mas o filho havia ingerido 1L de vinho e que ele não tinha histórico relacionados a abuso e ele tinha. Ele não tendo como negar, confessou", disse o gerente de policiamento do interior. 

Em entrevista ao Notícia da Manhã, o delegado ressaltou a agilidade na elucidação do caso e repudiou a atitude da população, que ao saber da apreensão do menor, incendiou a delegacia de Pedro II e promoveu um verdadeiro 'quebra-quebra' no prédio. 

"Em dois dias o crime foi solucionado e como resposta a população invade nosso ambiente de trabalho, depreda, incendeia a delegacia, carro de agente de polícia foi depredado. Isso nos deixa muito triste. Compreendo muito bem a sensação da população, mas não posso aceitar de forma nenhuma essa forma de reconhecimento: a polícia elucida o fato e é punida", desabafa o delegado. Como parte da delegacia foi destruído, o prédio ficará fechado por alguns dias. 

O menor infrator trabalha em uma loja de construções, mas não estuda. O crime foi praticado atrás da casa do adolescente, que também fica próximo à residência onde ocorreu o rapto. Com a repercussão do caso, ele foi trazido para Teresina. 

 

Bebê permanece internado

O bebê vítima tem um ano e três meses e permanece internado. Ontem (09), a maternidade Dona Evangelina Rosa divulgou boletim médico informando que a criança se recupera bem, está fora de risco de morte e é acompanhada por equipe multidisciplinar. O bebê passou por cirurgia de reconstrução do órgão genital, devido à brutalidade da violência.  

 

Matérias relacionadas

População invade delegacia após apreensão de menor suspeito de estuprar bebê de um ano

Polícia coleta material genético de suspeitos de crime contra bebê

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com