Cidadeverde.com
Diversidade

Dia Mundial de Combate à Homofobia: Matizes em ação pela reafirmação de direitos e cidadania LGBT

O mestre Gonzaguinha embelezou o cancioneiro da música brasileira quando poetizou sobre vida cidadã e busca da felicidade: “a gente quer carinho e atenção/agente quer calor no coração/a gente quer suar, mas de prazer/ a gente quer é ter muita saúde/ a gente quer viver a liberdade/ a gente quer viver felicidade”. É para afirmar o valor da vida, sua dignidade plena, a potência  do viver como ação social transformadora que o Matizes e parceiros  realizam  16/05 ato público pelo dia Mundial de Combate à Homofobia. O evento ocorrerá na praça João Luis  a partir das 9h até 12h.

 

A ação do Matizes  visa entre outros objetivos reivindicar políticas públicas eficientes para assegurar felicidade e cidadania ao público LGBT. De forma persistente e autônoma,  o grupo tem atuado,  defendido e proposto junto ao poder público   políticas de educação para diversidade, ações de saúde pública humanizadoras na atenção aos lgbt,  interlocuções propositivas  com segurança pública para enfrentamento da homo-lesbo-tranfobia, interação positiva com a mídia piauiense em busca da desconstrução de preconceitos e superação de atos discriminatórios.

 

Para sensibilizar e promover um diálogo educativo com os teresinenses, o ato contra a homofobia e em favor da vida digna terá presença de teatro de boneco propondo  através dos personagens-protagonistas um olhar de respeito e convivência salutar com a diversidade humana. Esta ação é resultado da parceria com a Fundação Monsenhor Chaves.

 

Também marcará presença no evento a Delegacia   Regional do Trabalho e Emprego (DRT/PI)  para prestar informações sobre direitos trabalhistas. A Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social e o Centro de Referência em Direitos Humanos integram a atividade através de orientação e divulgação dos serviços prestados pelas respectivas entidades. A Fundação Wall Ferraz prestará serviço de corte cabelo, maquiagem e pintura em unha.

 

Os estudantes de medicina da Universidade Federal do Piauí/UFPI realizarão a ‘Blitz da prevenção”. Os acadêmicos desta ação integram o comitê da UFPI da IFMSA, organização internacional ligada à Organização Mundial de Saúde e Organização das Nações Unidas. Durante o ato será distribuído  preservativos, gel e folhetos informativo-educativos sobre DST/AIDS dentre outras ações.

 

O Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) também estará presente no ato para realizar  orientação e divulgação de informações. Na ocasião o Matizes  distribuirá cartilhas, folder, folhetos e  materiais educativo-informativos sobre escola e combate à homofobia, legislação municipal e estadual de combate à discriminação e ações em favor da cidadania LGBT. 

 

Performance musical,  artistas de rua magnetizarão os participantes que circularem pelo evento. A somatória deste conjunto de ações reforça a sabedoria do poeta “É! A gente quer viver pleno direito/ a gente quer viver todo respeito/ a gente quer é ser um cidadão”

 

Dia Mundial de luta contra Homofobia - Fique Sabendo

 

O dia mundial contra homofobia  representa uma data  importante na luta pelos Direitos Humanos das pessoas LGBTS. Traduz uma caminhada histórica para construção do respeito e conquista de direitos. 

 

Depois de décadas de  debates, reflexões e pesquisas acadêmicas, organização e participação ativa do movimento LGBT, a Organização Mundial de Saúde(OMS), em 17 de maio de 1990, aprovou e oficializou a retirada do Código 302.0 (homossexualismo) da CID (Classificação Internacional de Doença), e declarou oficialmente que a ‘homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio’.

 

Este fato traduz uma conquista histórica de grande relevância para o Movimento LGBT Internacional, pois contribui para desconstrução de estereótipos, preconceitos e discriminações que violam a integridade física e psicossocial   de pessoas lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais.

 

A data é para relembrar às autoridades públicas  e governamentais a importância de implantar com urgência políticas de combate à homo-lesbo-transfobia. O reconhecimento pela OMS  da homossexualidade, identidade de gênero  e bissexualidade como uma das expressões legitimas da sexualidade  foi um avanço importante, mas é necessário que a  justiça e igualdade se materializem  com a ação dos agentes públicos e empresariais  para promover  políticas no campo  educacional, segurança, saúde, emprego e renda, valorização da cultura  lgbt.


Por Herbert Medeiros