Cidadeverde.com

Família de Vanessa Carvalho diz que Pablo quer aproveitar pandemia para ganhar liberdade


Foto: Reprodução Facebook Vanessa Carvalho

O pedido de liberdade do Pablo Henrique Campos Santos assustou os familiares e amigos da estudante Vanessa Maria Chaves Carvalho. A defesa do acusado de matar a estudante pediu liberdade provisária devido a pandemia do Coronavírus.  Pablo aguarda preso no sistema prisional. 

Vanessa estava na companhia da amiga Anuxa Kelly Leite de Alencar, na época namorada de Pablo, quando ele jogou o carro contra as duas em uma calçada, após os três deixarem uma festa de casamento na zona Leste de Teresina no dia 29 de setembro de 2019. Anuxa ficou ferida. 

"Recebemos essa notícia há uns dois dias. Ele representa um risco para a minha família, para a sociedade já que tem outros crimes. Estamos aguardando a decisão da justiça. Espero que ele não fique solto. Ele quer se aproveitar da pandemia do coronavirus para ganhar liberdade", disse Edson Carvalho, irmão de Vanessa ao Cidadeverde.com nesta sexta-feira (27).

No pedido, segundo o irmão, consta que Pablo seria diabético. "Não tenho conhecimento disso. Uma pessoa que é diabética tenta se cuidar e ele vivia bebendo, nao tinha controle nenhuma dessa doença, se realmente tivesse, entao hoje quer se aproveitar da pandemia. Receio que se ele fique em liberdade fuga do estado". 

Essa não é a primeira vez que a defesa de Pablo pede pela liberdade provisória do cliente. 

A petição é do dia 24 de março. O advogado de defesa de Pablo, Eduardo Faustino, alega que por ser portado de diabetes, sua permanência no sistema prisional constitui risco iminente de vida, diante do quadro de calamidade pública por causa da Covid-19, segundo recomendação do Conselho Nacional de Justiça, do dia 17 de março. Faustino também alega o excesso de prazo, já que Pablo está preso desde o dia do crime. 

“A liberdade do acusado se impõe como medida de humanidade. Não é objetivo do processo penal o padecimento do acusado. Ao tempo em que o processo se presta a aplicação dos pleitos do Estado-Acusação, se presta também a preservação dos direitos individuais do processado. Assim, vem requerer se digne Vossa Excelência em conceder liberdade provisória ao Requerente, nos termos do art. 316, CPP, fazendo expedir alvará de soltura útil à concessão da liberdade  do Requerente, por ser medida de lídima e cristalina justiça”, argumenta o advogado na petição.

A advogada da família da Vanessa, Lina Brandão, comentou sobre o pedido e espera que o juiz da 1ª Vara Popular do Tribunal Júri, Antônio Nolleto leve em consideração os outros crimes supostamente cometidos pelo acusado e a segurança das vítimas que sobreviveram. 

“É um direito do Pablo requerer a qualquer momento do processo a sua liberdade provisória. Acredito que o Dr. Nollêto sabiamente irá colocar na balança outras questões também que envolve o processo, como a vítima Anuxa que está abalada psicologicamente, com medo do Pablo vir a ficar solto. Existem outros quesitos que devem ser colocados na balança pelo magistrado, como crimes de trânsito, violência doméstica e familiar contra uma ex-companheira que ele subjulgou. Então ele deve pesar se é melhor soltar ou manter preso. Mas, acreditamos como assistente de acusação que ele deva sim permanecer preso, porque não abala só a família, mas toda a sociedade e nos traz insegurança jurídica”, destaca Lina Brandão.  

Pablo e Anuxa (Foto: arquivo pessoal)
 

Carlienne Carpaso e Caroline Oliveira
[email protected]