Cidadeverde.com

Em "live" com Lula, Wellington Dias anuncia ação contra Ministério da Saúde para obter respiradores

Reprodução/Youtube

Durante conversa com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva transmitida ao vivo pela internet, na noite desta terça-feira (7), o governador Wellington Dias (PT) anunciou que o Piauí entrará com ação contra o Ministério da Saúde para liberar 59 respiradores adquiridos pelo Estado. 

Em março, com o avanço do novo coronavírus no Brasil, o Governo Federal decidiu requisitar a produção nacional de respiradores para centralizar a distribuição dos mesmos, de acordo com a demanda em cada estado durante a pandemia. 

Na transmissão ao vivo, Wellington Dias afirmou que o Piauí adquiriu 59 respiradores, necessários em pacientes com sintomas mais severos da Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Os equipamentos, segundo o gestor, estão retidos pelo Ministério da Saúde. 

"Hoje o meu comitê de organização emergencial Covid-19 acabou de aprovar uma nota técnica mostrando que por falta desses respiradores o Piauí pode chegar a um colapso no final deste mês. Estou com base nisso entrando com uma ação na Justiça contra o Ministério da Saúde para poder liberar o que o Estado comprou de respiradores. Pode um negócio desses?", questionou. 

No início de abril, o ministro Luiz Henrique Mandetta havia demonstrado preocupação com ações judiciais. Em coletiva de imprensa, o gestor disse que iniciativas regionais podem ser louváveis em suas intenções, mas precisam considerar o contexto nacional.

O governador do Piauí também falou sobre as controvérsias entre o que é defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o que é praticado pelo ministro Mandetta - que chegou a ter sua demissão cogitada na segunda-feira (6), mas permaneceu no cargo, com forte apoio da classe médica e da opinião pública. 

"A sensação que tenho, e os outros governadores também é que de estamos num avião e está uma briga lá, de tapa, entre o comandante o subcomandante. E a briga já veio para os comissários", afirmou Wellington Dias. 

Ainda sobre a pandemia do novo coronavírus, Wellington dias disse crer em subnotificação de casos no Piauí por conta da falta de testes - o estado começou a receber kits do Ministério da Saúde para exames na última sexta-feira (3). 

"Provavelmente, o meu estado, que aparecia com 30 casos, já deve ter chegado a 4 mil casos pelo menos de coronavírus. Por não fazer exames, presidente, a gente fica aqui desarmado", declarou Wellington Dias, ressaltando que o Piauí precisaria de 500 mil exames para o monitoramento adequado dos casos. 

Além de Wellington Dias, participaram da transmissão ao vivo o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha e o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS). Ao longo da conversa, os quatro fizeram críticas duras ao presidente Jair Bolsonaro pela postura durante a pandemia do novo coronavírus. 

No vídeo, a primeira participação de Wellington Dias começa com aos 29 minutos. 

Fábio Lima
[email protected]

Piauí tem quinta morte por Covid-19 e chega a 31 casos confirmados

Foto: Governo do Piauí

Número de casos cresceu no primeiro dia após laboratório passar a trabalhar 24 horas

Atualizada às 20h21

No dia com recorde de testes realizados, o Piauí registrou aumento do número de casos de Covid-19 e a quinta morte de paciente infectado pelo novo coronavírus.

O balanço divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi), na noite desta terça-feira (7), trouxe o resultado de 126 exames: 121 foram descartados e 5 confirmados. Outros 211 casos seguem sendo investigados.

O quinto óbito foi de um paciente de Teresina. A Sesapi inicialmente informou se tratar de um homem de 65 anos, sem divulgar identidade. Uma hora depois, durante debate ao vivo na internet com o ex-presidente Lula, o governador Wellington Dias (PT) informou que um primo do senador Ciro Nogueira (Progressistas) faleceu nesta terça-feira vítima de coronavírus. Em seguida, o Governo do Estado confirmou ao Cidadeverde.com que a vítima é o empresário Manoel Nogueira Neto, presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Piauí (CRECI/PI). 

Foi a terceira morte na capital - um casal de idosos havia falecido na semana passada. As outras duas mortes foram de um empresário de Parnaíba e do prefeito de São José do Divino, Antonio Felícia (PT). 

Foi em São José do Divino que surgiram outros dois casos confirmados, nesta terça-feira: uma mulher de 45 e outra de 48 anos. Também testaram positivo uma mulher de 31 anos em Teresina e um homem de 65 anos em Piracuruca - segundo caso do município. 

O número de resultados de testes triplicou no comparativo com a média da semana passada. Isso ocorreu depois da decisão de ampliar o funcionamento do Laboratório Central de Saúde Pública do Piauí (Lacen-PI) durante 24 horas. 

No fim de semana, o estado recebeu cerca de 8 mil testes rápidos enviados pelo Ministério da Saúde, material que foi distribuído para hospitais de referência em todo o Piauí. Caso o teste rápido dê positivo, o Lacen fará a contraprova. 

 

 

Fábio Lima
[email protected]

Justiça Federal bloqueia fundo partidário e autoriza uso no combate a Covid-19

 

Foto: Luis Macedo/Camara dos Deputados

O juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara Cível da Justiça Federal do Distrito Federal, determinou o bloqueio dos fundos eleitoral e partidário, e determinou que o Presidente da República poderá usar os recursos em campanhas para o combate da Covid-19. 

A decisão foi proferida em ação popular, proposta pelo advogado Felipe Torello. 

O fundão eleitoral no valor de R$ 2 bilhões foi aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro para cobrir gastos com as eleições municipais. 

Já o fundo partidário é uma verba repassada aos partidos anualmente pela União que está estiamada em R$ 1 bilhão neste ano.

O magistrado diz, na decisão, que no contexto da pandemia e no estado de calamidade pública atual “a manutenção de fundos partidários e eleitorais incólumes, à disposição de partidos políticos, ainda que no interesse da cidadania, se afigura contrária à moralidade pública, aos princípios da dignidade da pessoa humana e ao propósito de construção de uma sociedade solidária".

Ele argumenta ainda que além da pandemia e por causa dela, há uma crise econômica concreta, na qual milhões de trabalhadores informais, autônomos e vários outros de todo o país passam por dificuldades até para se alimentar.

Foto: Arquivo Pessoal

Juiz federal Itagiba Catta Preta Neto

“O fechamento da maioria dos segmentos do comércio, nas maiores cidades brasileiras, tem gerado quebra e desemprego em massa. A economia preocupa tanto ou até mais do que a própria epidemia. Dos sacrifícios que se exigem de toda a Nação não podem ser poupados apenas alguns, justamente os mais poderosos, que controlam, inclusive, o orçamento da União”, ressalta.

No deferimento, o magistrado determina que os valores não poderão ser depositados pelo Tesouro Nacional ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Os valores podem, contudo, a critério do Chefe do Poder Executivo, serem usados em favor de campanhas para o combate à Pandemia de Coronavírus – COVID19, ou a amenizar suas consequências econômicas. Intimem-se, com urgência. Oficie-se o Ilmo. Sr. Secretário do Tesouro Nacional para as providências a seu cargo, entre as quais comunicar aos Exmos. Sr. Ministros da Economia e da Saúde o teor da presente decisão. Após, citem-se. Vindo as respostas, encaminhem-se os autos ao Ministério Público Federal”, finaliza.

A decisão ainda cabe recurso.

Veja decisão na íntegra

 

Caroline Oliveira
[email protected]

Bancos não poderão debitar auxílio de R$ 600 se beneficiário tiver dívida

Foto: Yasmin Cunha / Cidadeverde.com

O ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania) afirmou nesta terça-feira (7) que o auxílio emergencial de R$ 600, destinado para amenizar impactos econômicos do novo coronavírus sobre informais, não poderá sofrer débitos pelas instituições financeiras.Esses recursos não serão, por exemplo, consumidos pelo cheque especial do beneficiário, caso haja uma dívida em aberto.

Segundo Onyx, o dinheiro ficará "protegido", fruto de um acordo do governo com a Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

"Se existirem débitos anteriores na conta, esse dinheiro [o auxílio] fica protegido, não paga contas antigas. Ou seja, se tem lá um débito de R$ 100 no cheque especial no banco X, os R$ 600 entram [e] não podem ser debitados porque é um auxílio emergencial para a sustentação das pessoas", disse Onyx, em entrevista coletiva do Palácio do Planalto.

"Não vai haver nenhum débito neste recurso que terá origem na Caixa para o sistema financeiro brasileiro", complementou.

De acordo com a Caixa, uma mensagem de alerta sobre a possibilidade de débito foi colocado na primeira versão do site que foi ao ar nesta terça-feira para o cadastramento de beneficiários. O banco ressaltou que, após acordo firmado com os bancos, essas cobranças não poderão ser feitas e os alertas do site e do aplicativo serão excluídos.

A intenção do auxílio é amenizar o impacto da crise do coronavírus sobre a situação financeira dos trabalhadores que estão na informalidade, considerados mais vulneráveis aos efeitos econômicos da pandemia.

O governo disponibilizou ferramentas digitais para que possíveis beneficiários do auxílio emergencial se cadastrem e peçam os benefícios. Os pagamentos devem começar a ser feitos na quinta (9).

A Caixa lançou um site para que pessoas que se enquadram no benefício solicitem o auxílio (https://auxilio.caixa.gov.br/).

Um aplicativo de celular também está disponível para download para celulares Apple e para aparelhos com Android.O benefício, pago por três meses, será de R$ 600 a trabalhadores informais e de R$ 1.200 para mães responsáveis pelo sustento da família.

O cadastramento deve ser feito por pessoas elegíveis que não fazem parte do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).

Pessoas já inscritas nos sistemas do governo não precisarão fazer esse processo. Devem usar esse mecanismo apenas microempreendedores individuais, contribuintes individuais do INSS e informais que não fazem parte de nenhum programa federal.

Os repasses a beneficiários do programa Bolsa Família seguirão o calendário usual do programa. Para todos os outros, o governo apresentou a expectativa de datas para os pagamentos.

Até quinta-feira, deve estar liberada a primeira parcela do benefício. A segunda parcela está prevista para 27, 28, 29 e 30 de abril.

Será levada em conta a data de aniversário do beneficiário. Quem nasceu em janeiro, fevereiro e março, por exemplo, recebe no primeiro dia, dia 27. Essa ordem será seguida até a conclusão dos pagamentos.

A terceira e última parcela será quitada até o fim de maio, com pagamentos a partir do dia 26.

De acordo com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, o programa vai incluir 30 milhões de brasileiros em contas digitais gratuitas, com possibilidade de fazer pagamentos e transferências sem custo.

A equipe econômica estima que o programa de socorro custará R$ 98 bilhões aos cofres públicos. Uma medida provisória para liberar esses recursos e garantir os pagamentos foi editada na última semana.

Têm direito ao benefício cidadãos maiores de 18 anos que não têm emprego formal; não recebem benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, exceto o Bolsa Família; têm renda mensal per capita de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.135); não tenham recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018.

O auxílio também vale para quem exerce atividade de microempreendedor individual (MEI), contribuinte individual do Regime Geral de Previdência Social e para o trabalhador informal, de qualquer natureza, inscrito no Cadastro Único ou que cumpra o requisito de renda até 20 de março de 2020.

O recebimento do benefício está limitado a dois membros da mesma família. O auxílio substituirá o benefício do Bolsa Família nas situações em que for mais vantajoso.

Inicialmente, a equipe econômica queria conceder R$ 200 mensais aos informais. Pouco depois, admitiu elevar o valor a R$ 300.

Pressionado por parlamentares, o presidente Jair Bolsonaro decidiu anunciar o aumento do valor para R$ 600 com o objetivo de tentar esvaziar o discurso da oposição no Congresso e retomar protagonismo sobre a medida.

Fonte: Folhapress

Após decisão de STF, Maia defende negociação direta entre patrão e empregado para corte de jornada

Foto: Roberta Aline

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta terça-feira (7) que cortes de jornada, com redução salarial, e suspensão de contrato de trabalho possam ser adotados após acordo entre patrão e empregado, sem a intermediação de sindicatos.

Nesta segunda (6), o ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), decidiu que esses acordos só podem ter validade após manifestação do sindicato dos trabalhadores. Esse veredito tem efeito imediato, mas ainda será analisado por todos os ministros do STF.

A decisão do ministro frusta os planos da equipe econômica, que voltou a ser cobrada por empresários pela flexibilização das regras com o objetivo de evitar demissões.

Maia acredita que o ideal seria dar algum tipo de preferência por acordo coletivos (firmados por meio de sindicatos), mas permitindo a validade de negociações diretas com trabalhadores. "Para que se possa dar celeridade", justificou.

Empresários argumentam que, por causa das medidas para tentar conter a transmissão do novo coronavírus, a atividade econômica caiu drasticamente e, por isso, estão com dificuldades em manter os contratos de trabalho.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), então, flexibilizou as normas, permitindo a redução de até 100% da jornada, com corte proporcional de salário, e até a suspensão dos contratos. Em contrapartida, o governo pagará um auxílio para complementar parte da renda perdida pelo trabalhador.

Para a equipe econômica, a decisão pode comprometer o resultado esperado com o programa, que deve atender, com a complementação de renda, a 24,5 milhões de trabalhadores formais.

Até esta segunda, o Ministério da Economia registrou mais de 7 mil acordos individuais (entre patrão e empregado). Para o governo, Lewandowski poderá gerar insegurança jurídica e desestimular que empresas façam a adesão ao programa, optando, assim, pelas demissões.

No programa lançado pelo ministro Paulo Guedes (Economia), o acordo individual seria aplicado a trabalhadores que ganham até três salários mínimos (R$ 3.135) por mês em todas as situações -redução de jornada e suspensão de contrato.

Para quem tem salários acima disso e até R$ 12.202, já é exigido o acordo via sindicato quando o corte de jornada superar 25% e em caso de suspensão de contrato.

No caso de trabalhadores com renda acima de R$ 12.202, por terem um tratamento diferente na CLT, também valeria o acordo individual em qualquer caso.

Fonte: Folhapress

Índice de isolamento social em Teresina caiu 10% na segunda-feira (6)

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Mesmo com as recomendações da Prefeitura de Teresina e autoridades de saúde, a capital apresentou uma queda de 10% no índice de isolamento social na última segunda-feira, 06, comparado ao domingo, 05 de abril. O levantamento, feito através de um aplicativo que monitora o GPS de 217 mil celulares de habitantes na cidade, registrou índice de isolamento de 56% nesta segunda, enquanto no dia anterior foi registrada taxa de 66%.

Atualmente, na capital, são 542 casos notificados, 162 suspeitos, 358 descartados, 22 confirmados e dois óbitos.

“O isolamento social é a principal ferramenta de combate ao vírus que temos neste momento. As atividades essenciais vêm sendo preservadas e permanecem funcionando. Contamos com a colaboração de todos os teresinenses que podem para que permaneçam em casa”, enfatiza o prefeito de Teresina, Firmino Filho.

De acordo com dados de monitoramento do aplicativo, o dia em que os teresinenses mais obedeceram o isolamento social foi em um domingo, no dia 22 de março.

Os percentuais são monitorados diariamente, pela Prefeitura, através de um sistema de georeferenciamento da startup recifense InLoco. O aplicativo avalia os índices através de uma identificação de quando as pessoas de uma determinada região se afastam mais de 450 metros de suas residências.

A Prefeitura está intensificando as fiscalizações para garantir o cumprimento dos decretos. A população pode denunciar os estabelecimentos que estejam burlando as recomendações através dos números 153, (86) 3215-9317 e pelo whatsapp (86) 99438-0254.

Da redação
[email protected]

Brasil tem 13.717 casos confirmados de coronavírus e 667 mortes

Arte: Ministério da Saúde

Atualizada às 19h36

O número de casos confirmados de covid-19 no Brasil saiu de 12.056 para 13.717, conforme os dados oficiais desta terça-feira, 7. Foram 1.661 novos casos notificados nas últimas 24 horas. As mortes provocadas pelo novo coronavírus chegaram a 667. Até a segunda-feira, 553 vidas haviam sido perdidas.

Há pessoas infectadas em todos os Estados brasileiros.

Só Tocantins não registrou morte por covid-19 até este momento. Com base na comparação entre infecções e mortes, o índice de letalidade do vírus está em 4,9%.

O balanço foi divulgado pelo Ministério da Saúde na tarde desta terça, com totais atualizados até 14 horas. No início da noite, o Piauí divulgou o boletim estadual, com 31 casos confirmados e cinco mortes.  

Desta vez, o ministro Luiz Henrique Mandetta deve participar da entrevista coletiva. Na segunda-feira, ele estava em reunião com o presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto, em um dia marcado por tensão e especulações sobre sua demissão. No fim do dia, porém, Mandetta afirmou que permaneceria na função.

Apesar dos números em ascensão, o total de pessoas infectadas no País é ainda maior. O País enfrenta problemas de oferta de testes que comprovam a contaminação pelo vírus mesmo para os casos considerados suspeitos, e o governo reconhece a subnotificação.

Na entrevista coletiva realizada nesta terça, o ministério deve detalhar a estratégia de transição do isolamento social amplo para o isolamento social seletivo.

No último boletim epidemiológico da pasta, divulgado na segunda, a medida foi inserida como recomendação para regiões que não comprometeram mais da metade da capacidade de atendimento.

O ministério passou a defender que cidades com diferentes situações de epidemia devem ter estratégias diferentes para o enfrentamento. Mesmo assim, tem reiterado que o isolamento social é a única medida disponível para que o total de infecções não cresça de maneira descontrolada e leve o sistema de saúde a um colapso.

 

 

 

Por Vinícius Valfré e Julia Lindner
Estadão Conteúdo

Presidente do Creci, Nogueira Neto, morre vítima de Covid-19 aos 65 anos

Foto: Arquivo CV

Atualizada às 19h51

O presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Piauí (CRECI/PI), Manoel Nogueira Neto, de 65 anos, morreu nesta terça-feira(07), vítima de uma pneumonia inflamatória grave, em consequência do novo coronavírus. A confirmação saiu com o boletim da Secretaria Estadual da Saúde (Sesapi) no início da noite, registrando a quinta morte e pelo próprio Governo do Estado.  

Ele estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital da Unimed desde o final de março, respirando com ajuda de ventilação mecânica e apresentando instabilidade clínica e hemodinâmica. 

A família ainda aguardava até esta noite o resultado da contraprova para a doença Covid-19. 

O Creci divulgou nas redes sociais a nota informando e lamentando o falecimento de Nogueira Neto: 

“É com imenso pesar que comunicamos o falecimento do nosso presidente, Nogueira Neto. Um homem nobre, de caráter, com um coração repleto de amor e que representa nossa classe de corretores de imóveis com muita altivez. Nogueira está a frente do CRECI/PI desde 2013 lutando pelos interesses da categoria. Que nesse momento de profunda tristeza Deus possa confortar os corações de familiares e amigos”.

O vereador Aluísio Sampaio lamentou a morte do amigo. "Acabo de perder um grande amigo! Pai dedicado a sua família, cidadão do bem, religioso, competente profissional, ético, líder e respeitado na sociedade. Presidente do conselho de corretores de imóveis do Piauí e a três mandados estávamos juntos representando o Piauí no Conselho Federal de Corretores. Meus sentimentos a sua família que, como todos nós, vai precisar de muito conforto divino para suportar esse momento difícil", destacou em post nas redes sociais.

Como o resultado positivo para Covid-19, o protocolo de enterro sem velório é o mais indicado como recomenda a Organização Mundial de Saúde (OMS), mas ainda não há informações da família sobre o procedimento. Manoel Nogueira Neto é natural de Pedro II (a 200 km ao norte de Teresina) e primo do senador Ciro Nogueira Filho.

Corpo será cremado

A cremação do corpo empresário Nogueira Neto acontecerá nesta quarta(08), às 17h30, no cemitério Alto da Ressurreição. Após passa a pandemia, a família realizará uma cerimônia religiosa e sepultamento das cinzas para que todos os amigos e familiares possam se despedir. 

 

Caroline Oliveira
[email protected]

Reitor da UFPI diz que período não será cancelado e garante equilíbrio financeiro

O reitor da Universidade Federal do Piauí, José Arimatéia Dantas, assegurou nesta terça-feira (7) que o período letivo não será cancelado. Antes das suspensão das aulas, por conta da pandemia, o período já havia começado. O gestor da universidade também garante que o isolamento não afeta as finanças da instituição.

“Nós queremos retomar assim que puder suspender essa decisão do retorno às aulas. Vamos complementar esse semestre e fazer um novo calendário para o segundo semestre. Vamos ter que fazer um ajuste, diminuir o período de férias para que a gente possa, com o tempo, voltar à normalidade. Não há intenção de cancelar o período”, explicou Arimatéia.

Com suspensão anunciada desde o dia 17, as aulas na universidade continuam suspensas por tempo indeterminado. Um comitê técnico se reúne a cada 15 dias para avaliar o cenário epidemiológico e estudar a possibilidade de retorno do período letivo.

Segundo Arimatéia Dantas, o período de isolamento resguardou a universidade de gastos cujos pagamentos estavam quase comprometidos com a redução da receita própria da universitária  “Com essa paralisação, estamos tendo uma economia de recursos. Este ano nós vamos ter um orçamento tranquilo. A situação orçamentária está tranquila”, disse. 

Universidade e epidemia

A UFPI tem contribuído em diversas ações que auxiliam instituições públicas de saúde no combate à pandemia de Covid-19. A ajuda vai desde a cessão de equipamentos para realização de exames à confecção de EPIs;

“Nós disponibilizamos equipamentos de PCR que fazem a caracterização do genoma (da Covid-19). Tínhamos esses equipamentos nos laboratórios e estão instalados no Lacen (Laboratório Central) e sendo usados no diagnóstico, aumentando a velocidade do exame de casos suspeitos”.

A universidade também doou cerca de 43 mil EPIs para instituições de saúde. Um pesquisa desenvolvida por um núcleo e ciência da instituição trabalha um protótipo que chega a quadruplicar a capacidade de pacientes por ventiladores para respiração mecânica.

Pesquisas

As bolsas de pesquisa e extensão, aquelas que são pagas pela UFPI, continuam sendo repassadas para os estudantes, incluindo bolsas para estudantes carentes.

Valmir Macêdo
[email protected]

Com diminuição de acidentes, aumenta número de leitos no HUT

 

Um levantamento feito pelo Hospital de Urgência de Teresina (HUT) destacou que com o isolamento social realizado a partir da segunda quinzena de março, o número de atendimentos a vítimas de acidentes de trânsito caiu 33%.  

Os dados do relatório, emitido pelo setor de estatística do HUT, apontam que, nos primeiros quinze dias de março, foram atendidas 438 vítimas de acidentes de trânsito. Já na segunda quinzena do mesmo mês, foram 293 pessoas acidentadas. Uma queda de 33%. Ao todo, no primeiro trimestre deste ano, a unidade de saúde contabilizou 2.359 registros.

O registro é desde o início do primeiro decreto municipal que determina o fechamento do comércio e serviços não essenciais em Teresina. A variação está diretamente relacionada às ações de distanciamento social recomendadas por órgãos de saúde.

De acordo com o diretor geral do HUT, Rodrigo Martins, o distanciamento social é uma medida importante nesse momento de pandemia de covid-19. “Ficar em casa também reflete na menor quantidade de veículos circulando pela cidade. Isso é importante para reduzir os acidentados e deixarmos mais leitos disponíveis aos pacientes, caso nosso hospital venha a receber casos confirmados da doença”, avalia o diretor.

Outro dado importante divulgado pelo HUT aponta que, no ano passado, 10.632 pessoas deram entrada na unidade de saúde vítimas de acidentes de trânsito. No dia 3 de março, o prefeito Firmino Filho anunciou um novo decreto que suspende o funcionamento de estabelecimentos comerciais, como lojas de material de construção e peças automotivas. As restrições de convívio social no município foram reforçadas pela insistência de alguns cidadãos em desobedecer ao que recomenda organizações de saúde.

 

Da redação
[email protected]

Posts anteriores