Cidadeverde.com

Autônomo achado em Luís Correia foi identificado pela arcada dentária

O Instituto Médico Legal de Teresina confirmou que o corpo encontrado ontem (21) nas proximidades do porto de Luís Correia era do autônomo Marcos Vinícius Silva, 38 anos, que havia desaparecido no último domingo (19).  O diretor da perícia criminal de Parnaíba, Frederico Augusto, explica que, devido ao avançado estado de decomposição da vítima (que estava com o rosto desfigurado),  a identificação foi realizada por um odontolegista, profissional que não existe no litoral piauiense. 

Ele explica que o reconhecimento por meio da arcada dentária é importante para que não hajam erros na identificação do cadáver. 

"Existem várias formas de reconhecimento. Por exemplo, quando o corpo está íntegro, o familiar vai ao IML e reconhece pelas características físicas. Porém, quando o corpo está em decomposição o reconhecimento deve ser feito através do exame de necropapiloscópia (estudo das digitiais do cadáver), pelo odontolegista que avalia a arcada dentária ou através do exame de DNA, quando se é colhido material genético dos pais e do cadáver", explica Frederico Augusto.

O diretor da perícia criminal de Parnaíba acrescenta que a identificação de cadáveres somente por meio de características físicas ou vestimentas é muito arriscado e relata que houve casos de familiares que reconheceram um parente que havia desaparecido e dias depois a pessoa que, teoricamente, estava morta apareceu viva. 

"A melhor estratégia foi enviar o corpo para Teresina para que não aconteçam outros casos como já ocorreram na Capital. Às vezes, na emoção e angústia pelo desaparecimento de um ente querido, são feitos julgamento equivocados e o mesmo familiar que reconheceu o corpo, dias depois vai registrar um BO porque o ente apareceu. Isso gera uma complicação muito grande, pois aquele corpo que foi enterrado terá que ser exumado para ser identificado. Então, em muitos casos, é falho o reconhecimento feito através das características físicas ou vestimentas, até porque as roupas vendidas no mercado são feitas em larga escala e todo mundo pode ter uma bermuda azul ou branca, por exemplo", reitera Frederico. 

O corpo do autônomo Marcos Vinícius Silva saiu de Parnaíba por volta das 23h30, já foi periciado no IML de Teresina e liberado para sepultamento. A vítima morreu por afogamento.

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com