Cidadeverde.com

Procurador flagra crianças trabalhando e remove quatro família de lixão

  • lixao_1.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_3.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_5.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_6.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_7.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_8.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_9.jpg Divulgação / MPT-PI

Quatro famílias foram retiradas do lixão de Luís Correia, após serem flagradas em condições insalubres pelo Ministério Público do Trabalho.  Durante fiscalização no local, que fica a 500 metros da praia de Atalaia, o órgão constatou que não há controle de acesso e ainda que uma residência foi construída no terreno. Segundo o MPT cinco crianças e adolescentes entre 10 e 17 anos anos foram flagrados trabalhando na catação de lixo. Uma adolescente de 15 anos afirmou que auxilia os pais nessa atividade desde os 7. No total, mais de 20 pessoas foram identificadas trabalhando no local.

"Os lixões já deveriam ter sido, pelo menos, convertidos em aterros controlados. Esse local é completamente aberto e o município apenas recolhe os resíduos nas ruas e os despeja lá. Não há preocupação ambiental ou com as pessoas que tiram o seu sustento desse lugar. Um descaso do poder público com um tema que deveria ser prioritário para qualquer município: a questão da acomodação dos resíduos produzidos pela sociedade”, critica o procurador do Trabalho Eno Moura, que coordena as ações do MPT intinerante.

O órgão acionou a prefeitura que deverá localizar um espaço para construir um aterro sanitário e isolar o local, uma vez que são necessárias uma análise do lugar escolhido e uma licença ambiental.  Enquanto o aterro sanitário não for construído, o município deverá apresentar um cronograma para executar as seguintes medidas: cercar o lixão e controlar o acesso de pessoas; encontrar uma nova residência para a família que mora no lugar; destruir a casa fincada no terreno; não permitir que habitações sejam construídas no terreno; fornecer equipamentos de proteção individual (EPIs) para os catadores e restringir o acesso ao lugar. Além disso, em hipótese alguma, deverá ser permitido o acesso de crianças e adolescentes ao lixão.

Em contato com o Cidadeverde.com, o prefeito de Luís Correia, Francisco Araújo, conhecido como Kim do Carangueijo, afirmou que das quatro famílias encontradas apenas uma morava no local. O prefeito disse ainda que irá providenciar ainda em novembro o isolamento do lixão e o início da construção do aterro conforme pedido do MInistério Público do Trabalho.

"Vamos providenciar esse isolamento e acredito que agora no mês de novembro vamos licitar a compra de arame e madeira para cercar. A família que está lá é de Parnaíba e já saiu do local. Vamos colocar vigia lá para que as pessoas não voltem e se for comprovado que a família não tem moradia em Parnaíba, vamos providenciar uma casa", declarou o prefeito.

Raiz do problema

Desde outubro de 2016, o MPT no Piauí registrou 14 procedimentos envolvendo trabalho infantil e adolescente na catação de lixo. Para o procurador, este é um problema relacionado à mentalidade da população. “A catação de lixo sempre foi comum no estado do Piauí, que nunca prezou muito pelo combate ao trabalho infantil. Temos uma população com mentalidade adoecida, que acha que isso é solução para alguns problemas da sociedade. Os mais pobres teriam uma fonte de renda para ajudar a família e acreditam que, desta forma, estão preparando crianças e adolescentes para uma profissão no futuro”, explica Edno Moura. Entretanto, eles são superexplorados, uma vez que crianças e adolescentes costumam executar atividades que os adultos não querem realizar e ainda recebem menos por isso.

“Já os mais ricos acham que, se a criança trabalha, isso evita que sejam assaltados, roubados, estuprados ou mortos por essas pessoas que, em tese, seriam potenciais marginais por serem pobres. É uma visão egoísta e essa cumplicidade da sociedade doente gera o trabalho infanto-juvenil no Piauí”, ele declara. Este raciocínio, segundo o procurador, é difícil de modificar, uma vez que são conceitos enraizados. “As pessoas não conseguem ver que a comunidade é formada por capital humano, que é dever de todos preservar e lapidar o indivíduo enquanto criança para que ele possa adentrar o mundo do trabalho no momento correto, quando conseguirá contribuir efetivamente para a sociedade”, finaliza. 

Rayldo Pereira
Com informações do MPT
rayldopereira@cidadeverde.com