Cidadeverde.com
Geral

Fraude no TJ: 21 presos são indiciados após polícia concluir inquérito

Imprimir
  • _MG_2343.jpg Polícia Civil
  • _MG_2325.jpg Polícia Civil
  • _MG_2318.jpg Polícia Civil
  • _MG_2314.jpg Polícia Civil
  • _MG_2306.jpg Polícia Civil
  • _MG_2299.jpg Polícia Civil
  • _MG_2295.jpg Polícia Civil
  • 20160310030914.jpg Polícia Civil
  • 20160310030914_(1).jpg Polícia Civil
  • 20160310030914_(2).jpg Polícia Civil
  • 20160310030914_(3).jpg Polícia Civil
  • 20160310030914_(4).jpg Polícia Civil
  • 20160310030914_(5).jpg Polícia Civil
  • 20160310030914_(6).jpg Polícia Civil
  • 20160310031223.jpg Polícia Civil
  • 20160310030959.jpg Polícia Civil
  • 20160310031235.jpg Polícia Civil
  • 20160310031236.jpg Polícia Civil
  • 20160310031245.jpg Polícia Civil
  • 20160310031335.jpg Polícia Civil
  • 20160310031335_(1).jpg Polícia Civil

A Polícia Civil do Piauí concluiu e enviou nesta quarta-feira (23), ao Tribunal de Justiça, a conclusão inquérito que apurou a tentativa de fraude ao concurso público do Tribunal de Justiça do Piauí. De acordo com o delegado geral Riedel Batista, em entrevista ao Jornal do Piauí, 21 pessoas foram indiciadas e 12 permanencem presas. Ele voltou a destacar que a decisão de anulação do concurso cabe à presidência do TJ. 

"A Polícia Civil fez um trabalho muito complexo em parceria com Fundação Getúlio Vargas [organizadora do certame] e está muito segura do trabalho que fez quanto aos fraudadores. A decisão da anulação cabe inteiramente ao TJ. Mas ss pessoas que tentaram fraudar, não conseguiram, porque foram identificadas e agora estão à disposição da Justiça, nós conseguimos comprovar a materialidade e a autoria do crime", informou.   

Segundo ele, as 12 pessoas que permanencem presas teriam envolvimento direto e participação determinante nas ações criminosas. "Era uma organização com vários elementos, muitas formas de participação. Havia aqueles chamados 'pilotos', que faziam as provas para a obtenção dos gabaritos; os intermediários, que negociavam os valores com os candidatos e os que faziam as provas e pagavam para receber as respostas", informou. 

O delegado Carlos César Camelo, do Grupo de Repressão do Crime Organizado (Greco), já havia informado ao Cidadeverde.com que os valores cobrados pelos criminosos aos candidatos eram superiores a R$ 70 mil. 

Quanto à participação de funcionários públicos nas fraudes, como policiais civis, o delegado destacou que possíveis fraudes em concursos públicos anteriores também serão apuradas. "Há dois policiais civis entre os indiciados e um policial civil permanece preso preventivamente. Eles fazem parte da organização e vão responder criminalmente e administrativamente junto à corregedoria,  a processo disciplinar", disse. 

O concurso

Cerca de 42 mil candidatos se inscreveram no concurso e aproximadamente 38 mil compareceram para fazer as provas. O certame disponibilizou 80 vagas para o grupo funcional de Analista Judiciário, de Nível Superior. 

No dia 10 deste mês, foi deflagrada a Operação Véritas, que cumpriu mais de 100 mandados de busca e apreensão e conduziu mais de 70 pessoas, suspeitas de envolvimento na fraude. 

 

Maria Romero 
[email protected]

Imprimir