Cidadeverde.com
Política

Governo quer que prédios públicos gerem energia

Imprimir

O governador Wellington Dias esteve reunido, na manhã desta terça-feira (1º), com o secretário de Mineração, Petróleo e Energias Renováveis (Seminper), Luís Coelho, com quem tratou sobre a implantação de projetos pilotos de produção de energia solar em prédios públicos do Estado. A previsão é de que, inicialmente, uma escola técnica, uma unidade hospitalar e uma estação de tratamento de água sejam contempladas com a iniciativa.

A produção de energia fotovoltaica que usa a luz do sol como geradora de força já é usada pela iniciativa privada. Na região do Matopiba, na área dos Tabuleiros Litorâneos e nos Platôs de Guadalupe, e ainda nos projetos de irrigação em São João do Piauí, produtores rurais investem na geração de energia e conseguem economizar nos custos. O objetivo do governo do Estado é expandir essa ideia para as instituições e departamentos públicos, como unidades escolares estaduais, implantando geração de energia solar para compensar o que a escola consome.

“Quando o Estado recebe um crédito sempre que gera e fornece energia à rede da Eletrobras, dentro de regras estabelecidas pelo Ministério das Minas e Energia. Nesse projeto, você tem uma energia fortalecida, ou seja, uma carga elétrica segura que permite um bom funcionamento de equipamentos, computadores, ar condicionado, por exemplo. Esse crédito abate a conta da escola. Nós queremos trabalhar também com o nosso Instituto de Águas, com a Secretaria Estadual da Saúde em hospitais e áreas de atendimento”, explicou o governador Wellington Dias.

De acordo com o secretário Luís Coelho, o projeto de produção via unidades modelo vai gerar energia solar durante o dia e à noite vai usar o sistema convencional, servindo de exemplo para outras escolas e instituições da cidade. “Com esse trabalho disseminado em diferentes departamentos públicos, passamos a divulgar o potencial ecológico e econômico dessa energia. Nós já temos vários empresários fazendo isso em Teresina e no interior. Temos redes de farmácia, postos de gasolina, mais de 400 micro e miniprodutores de energia fotovoltaica. Está no teto e por isso as pessoas não veem. Então esse sistema produz sua própria energia. No final do mês há o encontro de contas do que a produção solar produziu e o que houve de consumo de energia durante à noite. Às vezes zera o ponteiro, não se paga nada ou se paga só a taxa mínima. A menor economia chega a 25% ou 30%. A intenção de fazer essas plantas pilotos, uma na educação, outra na saúde, e outra no tratamento de água é justamente disseminar no meio público que é possível fazer isso”, esclareceu Coelho.

Nessa mesma perspectiva, existe uma iniciativa no Instituto Federal do Piauí, no campus do município de Floriano, que já utiliza o sistema de geração de energia solar como ferramenta tecnológica de ecologia e economia de gastos.

Irrigação inteligente
Um outro caminho de trabalho, apontado pelo Governo do Estado, diz respeito ao fornecimento, a pequenos produtores, de um registro inteligente de irrigação que dispara automaticamente em horários de energia verde. “Quando o relógio dispara entre 21h30 e 6h você consegue ter um desconto de até 70% na conta de energia, então atende o mesmo objetivo com uma energia mais barata. Também na área da mineração com o Fundo de Mineração. Eu destaco aqui a deputada (estadual) Liziê (Coelho) que acompanha com muita prioridade os projetos na área do setor elétrico, no setor de mineração, gás e petróleo e também apresentou propostas na área do programa Luz para Todos e no programa de Regularização de Gambiarras. A meta é termos uma parceria com a Eletrobras para poder acelerar uma solução para as famílias que precisam”, finalizou o governador.

Da Redação
[email protected]

Tags: energia
Imprimir