Cidadeverde.com
Geral

Pai é condenado a 72 anos de prisão por estuprar seis filhos em Teresina

Imprimir

Um pai foi condenado em Teresina a 72 anos de prisão acusado de estupro contra os seis filhos – quatro meninas e dois meninos.

Nos relatos, as filhas contaram que eram violentadas desde os oito anos. O agressor usava máquina de choque para provocar medo aos filhos e coibir as denúncias. As vítimas contaram ainda que o pai fazia sexo com as meninas na presença dos filhos e em outro momento os obrigavam a assistir filmes pornográficos. 

A sentença é do juiz José Olindo Gil Barbosa, titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher.

O magistrado afirmou ao Cidadeverde.com que em anos de trabalho nunca tinha se deparado com caso de tamanha atrocidade. O pai Antonio Raimundo Alves Moraes, 57 anos, era vigia e funcionário da prefeitura de Teresina.  O processo tem 62 páginas e depoimentos estarrecedores.

A filha mais velha de 19 anos informou ao juiz que sofreu mais de 100 abusos sexuais desde os 13 anos, chegando a contrair doença sexualmente transmissível. 

“Ela contou que o pai a obrigou a fazer sexo com o namorado para que ela perdesse a virgindade e ele não fosse culpado pelos abusos seguintes. A vítima disse ainda que também se casou para poder sair de casa”, contou o magistrado.

Outra filha que tem 15 anos relatou que os estupros iniciaram quando ela tinha 8 anos. O pai prometeu dar de presente um “par de botas” e bicicleta.

A vítima de 11 anos revelou que os abusos ocorriam com muita violência desde os oito anos.

“São relatos terríveis. Elas presenciam o sexo com os outros irmãos. Ele chegava a dar choques uma vez que uma delas quase denunciou os estupros”.

Nos depoimentos, as vitimas informaram ao juiz que o pai as obrigavam a assistir filmes pornográficos. Uma delas, além do choque, ele também deu uma surra de corda.

“O agressor ameaçou a esposa se ela contasse alguma coisa iria morrer e que não podia sair de casa e se saísse era com tempo determinado”, afirmou o magistrado.

Na sentença, os relatos informavam que o agressor andava nu na casa e até a filha de 7 anos foi alvo dos abusos. 

“É um sádico que chegou a dar boa noite cinderela para a cunhada e a abusou dentro de casa”.

José Olindo contou que em audiência que atribuía o crime ao “cão” e ao “satanás”. 

O pai foi preso e condenado a 72 anos de detenção por crimes de estupro de vulnerável, agressões e ameaças. 

 

Flash Yala Sena
[email protected]  

Imprimir