Cidadeverde.com
Geral

Suspeito de matar cabo do Bope é líder de quadrilha de roubo a mansões

Imprimir

Wesley Marlon Silva, preso na Casa de Custódia de Teresina pela morte do cabo do BOPE, Claudemir de Paula Sousa, terá mais um mandado de prisão cumprido contra si hoje (2), pela Operação Cárcere. Segundo o delegado do 12º Distrito Policial, Ademar Canabrava, ele integra uma quadrilha que atuava em casas de alto padrão na zona Leste de Teresina. 

"Havia muitos meses que já estávamos investigando e ele é um dos líderes desse bando, ele que coordenava as ações. O mandado de prisão vai ser cumprido na Custódia", informou Canabrava ao Cidadeverde.com.

Além de Wesley Marlon, foram presas mais três pessoas: Bruno Lima da Silva, Gabriel Reinaldo de Sousa e Fernando Vale da Silva. O delegado destacou que todos possuem passagem pela polícia e atuavam nos crimes, assim como ele, com tornozeleiras eletrônicas. 

O grupo preferia agir em casas de alto padrão, no momento em que os moradores entravam ou saíam das residências. O foco do bando eram joias, carros como caminhonetes e dinheiro. Com os presos, não foi encontrado nenhum material ilícito. 

O investigador do 12° DP, Marcelo Duarte, conta que o os presos foram apontados como autores seis arrastões a residências de alto padrão da zona Leste da Capital no mês de dezembro, sendo três na mesma noite. Segundo ele, quatro dias antes da morte do cabo do Bope, Wesley coordenou e participou diretamente de um assalto.

Delegado Ademar Canabrava

"O Bruno morava no Ininga e repassava informações sobre os moradores, horário que chegam e sobre o padrão de vida. Havia todo o monitoramento. Quando a família chegava em casa, eles se aproximavam e mantinham todos reféns, roubando jóias, dinheiro... Geralmente, eles chegavam em um carro roubado e também levava o carro da família que foi feita refém", explica o investigador. 

Investigador Marcelo Duarte

Dois dos suspeitos foram presos durante o trabalho e o terceiro estava em casa. Todas as prisões ocorreram na zona Leste da Capital. Com as prisoes, a Polícia Civil vai fazer o levantamento do prejuízo causado pelo grupo criminoso. As investigações continuam e mais pessoas devem ser presas.

Execução

Além de Wesley Marlon, mais oito pessoas foram indiciadas pela morte do Cabo Claudemir. Ele é suspeito de ser o autor dos disparos que mataram o policial. Ele teria recebido R$ 20 mil para cometer o crime. Claudemir foi motor em seis de dezembro de 2016, às 21h, quando saía da academia. O crime aconteceu na avenida principal do bairro Saci, zona Sul de Teresina. 

Participaram da operação policiais civis do 5º DP, 11º DP e 12º DP

 

Maria Romero e Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir