Cidadeverde.com
Entretenimento

Em livro, Cabeça de Cuia tem maldição quase quebrada e vive romance

Imprimir

 


O escritor piauiense Eduardo Prazeres lança, na próxima sexta-feira (17), o livro 'A fortaleza de Crispim'. O autor, que também escreveu 'Crispim e a sétima virgem', tem as obras inspiradas na lenda mais popular do Piauí: O Cabeça de Cuia. 

O romance 'A Fortaleza de Crispim', inspirado na lenda, é o segundo livro da trilogia que recebeu o nome geral de 'A Lenda de Crispim', e representa a continuação da saga iniciada no livro 1, “Crispim e a Sétima Virgem”.

Neste segundo livro o autor elabora um desenvolvimento do enredo e um aprofundamento do caráter e das ações dos personagens, proporcionando ao leitor a experiência de poder se deleitar por mais tempo com uma história nativa, na qual ele se reconhece e confirma aspectos relevantes da sua identidade cultural. 

Admitindo o suspense como um dos grandes valores da literatura contemporânea, o livro aproveita o conteúdo fantástico de um conto produzido e transmitido pela tradição oral do povo piauiense. O autor busca atingir a meta de construir um romance de caráter popular, regional, mas sem apoiar-se no culto ao estereótipo, buscando, em vez disso, intercambiar elementos de uma linguagem urbana moderna com traços do folclórico e do tradicional. 

No livro, a maldição lançada sobre o jovem pescador Crispim há mais de duzentos anos foi parcialmente quebrada. Mesmo ainda vivendo nas águas dos rios no corpo de um monstro, ele está consciente outra vez e consegue se metamorfosear. 

Na obra, Crispim encontra amigos que buscam a quebra definitiva da maldição, além de estar amando e sendo amado pela bela Carol. No entanto, em busca da sua libertação, Crispim terá que enfrentar agora um novo e mortal desafio – sobreviver à obsessão de um poderoso mago e temível samurai, disposto a caçá-lo e ir até as últimas consequências para exterminá-lo. Uma espada mística conhecida como Lâmina da Dupla Condenação, forjada na magia antiga oriental pelos laminadores da tradição bushidô, é a nova arma capaz de matar Crispim. Ele precisa escapar ao poder letal dessa lâmina cumprindo a sua promessa de jamais ferir alguém outra vez. 

Já 'Crispim e a sétima virgem' é uma obra, lançada em 2013, que  também mistura suspense, romance, misticismos e ação. O livro apresenta uma instigante adaptação livre da clássica história do jovem pescador que, num acesso de desespero e insanidade, tornou-se um matricida, recebendo como castigo uma terrível maldição.

O autor elaborou uma continuidade dos acontecimentos da lenda trazendo a história até os dias atuais. Durante a leitura, à medida que mergulha na trama, o leitor vai percebendo que nessa história as coisas nem sempre são o que aparentam ser, e a verdade dos fatos pode revelar grandes surpresas, tornando cada página um passo excitante rumo a inesperadas descobertas.

O lançamento de 'A Fortaleza de Crispim' será a  partir das 19h, na livraria Entrelivros, na Avenida Dom Severino, na zona Leste de Teresina. 

Sobre o autor

Foto: Suélle Oliveira/Assessoria

Eduardo Prazeres, escritor e ator de teatro, nasceu em Teresina (PI), em 31 de Março de 1977. Por alguns anos trabalhou como ator e ministrou oficinas de iniciação teatral para jovens. Foi integrante do Grupo Corpos de Teatro e da primeira formação do Núcleo de Criação do Dirceu (2006 – 2008). Ajudou a representar o Piauí em vários eventos de âmbito nacional e internacional, como o Festival Internacional de Teatro de São Mateus (ES), em 2002; Festival Universitário de Teatro de Blumenau (SC), em 2003 – sendo indicado, neste, para Melhor Ator, pelo espetáculo Barrela, direção Adalmir Miranda; Festival Internacional de Teatro Lusófono, Teresina (PI), EM 2008; e Festival Internacional Panorama, Rio de Janeiro (RJ), em 2007.

Em 2015, Eduardo e sua assistente, Lya Ferreira (pedagoga e especialista em Literatura e Estudos Culturais), representaram o Piauí na Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, onde houve uma excelente aceitação do trabalho do autor piauiense e o início da conquista de leitores além dos limites do Estado. Foi também na Bienal do Rio que se deu o primeiro encontro pessoal do autor com sua agente, Luciana Villas Boas, quando se consolidou a assinatura do contrato e a entrada oficial para a Villas Boas & Moss Agência Literária, que tem escritórios no Leblon (Rio), Atlanta e Nova York. Atualmente o autor vive da divulgação e venda direta dos seus livros em escolas e eventos culturais, ministrando também palestras e oficinas de teatro e de criação literária, em escolas e instituições culturais.


Da redação
[email protected] 

Imprimir