Cidadeverde.com
Geral

Cabo do Exército suspeito de atirar em foliões é considerado foragido

Imprimir

Local onde duas pessoas foram baleadas. (foto: Jonatas Freitas)
 
O cabo do 2º Batalhão de Engenharia de Construção do Exército Brasileiro (2º BEC), suspeito de atirar em um folião durante a festa pré-carnavalesca Banda Bandida, no Centro de Teresina, ainda não se entregou à polícia  nem se apresentou ao 2º BEC. O caso ocorreu por volta das 23h30 do sábado (13) e até o momento não há nenhuma informação sobre o oficial.  Ele não teve o seu nome oficialmente divulgado.
 
O cabo não foi preso em flagrante estando foragido até o momento, segundo a delegada da Central de Flagrantes, Ana Luiza Marques. O Cidadeverde.com também entrou em contato com o delegado responsável pelo 1º DP,  Anfrisío Castelo Branco. Ele declarou que o cabo não se apresentou no local.  Já o 2º BEC informou que divulgará uma nota ainda hoje sobre o caso, mas disse que, até a tarde desta segunda (15), ele também não se apresentou ao Batalhão. 
 
De acordo com a Polícia Militar o cabo é suspeito de efetuar cinco disparos contra Paulo Roberto Rodrigues.  Paulo Roberto está em estado grave no Hospital de Urgência de Teresina (HUT); outras duas pessoas foram atingidas com os disparos, mas já receberam alta médica. 
 
O coordenador geral de operações da Polícia Militar, coronel Alberto Menezes disse que, no dia do ocorrido, a Polícia Militar fez diligências na residência do cabo do Exército e também foi ao 2º BEC. No veículo dele foram encontrados munições de pistola 380. 
 
Prisão preventiva  
 
Já Francisco Felipe Marques teve sua prisão em flagrante convertida em preventiva durante audiência de Custódia, realizada no Fórum Criminal de Teresina. Ele foi encaminhado para uma das penitenciárias do sistema criminal do Piauí. Felipe também é investigado na participação do tiroteio na Banda Bandida.  
 
A informação foi confirmada pela delegada da Central de Flagrantes, Ana Luiza Marques, que enviará os procedimentos já realizados para o 1º Distrito Policial, que ficará responsável por investigar o caso. 
 
O suspeito, conhecido como “peixe”, foi preso e autuado em flagrante ainda no sábado por tentativa de homicídio. Ele teria disparado contra a segurança privada do evento para acobertar fuga ao cabo do Exército.
 
"Houve o tiroteio e um deles ainda chegou a chutar um dos homens atingidos. Na fuga, o cabo do Exército passou a arma para esse amigo, identificado como Felipe, que disparou contra a segurança privada para não serem presos. Os seguranças nos  falaram sobre o revide e a PM fez a prisão", disse o coronel  Alberto Menezes, comandante de operações da Polícia Militar. 
 
A arma usada no crime ainda não foi localizada.
 
 
 
 
Carlienne Carpaso
Imprimir