Cidadeverde.com
Últimas

Paraguai adota medidas para barrar brasileiros vindos de estados em áreas de risco para a febre amarela

Imprimir


Brasileiros de quatro estados só podem entrar no Paraguai caso estejam vacinados contra a doença (foto:divulgação)

O Paraguai adotou medidas de controle à febre amarela: brasileiros de quatro estados só podem entrar no país caso estejam vacinados contra a doença. Além disso, as tradicionais faculdades de medicina de lá só estam aceitando nascidos no Brasil que estiverem imunizados.

Resolução do Ministério da Saúde Pública e Bem-Estar Social do Paraguai divulgada terça-feira (30), determina que os brasileiros saídos da Bahia, Espírito Santo, São Paulo e Rio de Janeiro, apresentem a carteira internacional de vacinação contra a febre amarela para viajar ao país.

A nota, publicada na página do ministério (para acessar clique aqui), também orienta as pessoas que estão no país, que nunca se imunizaram contra a doença e que vão viajar para esses quatro estados, que a vacina contra a febre amarela deve ser tomada dez antes da viagem. O texto destaca ainda que a fiscalização vai ser intensificada nos aeroportos internacionais e em Ciudad del Este e Pedro Juan Caballero, municípios que fazem fronteira com o Brasil.

Em uma companhia aérea que tem voos diários para Assunção, capital do país vizinho, por exemplo, com as novas determinações do governo paraguaio, quem for viajar destes estados e não apresentar a carteira, não embarca. “Nós estamos instruindo nossos colaboradores, para que nem façam o atendimento destes passageiros. Porque isso já tem que ser limitado a partir do embarque do passageiro”, explica a gerente da companhia, Camila Gardin.

Em Pedro Juan Caballero, que faz fronteira seca com a cidade sul-mato-grossense de Ponta Porã, por enquanto não está sendo feita nenhuma fiscalização diferenciada da entrada de brasileiros no país. Entretanto, como forma de prevenção, faculdades paraguaias, que recebem muitos alunos brasileiros, só estão aceitando novos acadêmicos do país e a rematrícula dos estudantes após a apresentação da carteira internacional de vacinação.

A preocupação com a doença também fez aumentar a procura pela vacina contra a febre amarela dos dois lados da fronteira. Em Pedro Juan Caballero, a busca pela doses, de acordo com as autoridades paraguaias, aumentou 40% em relação ao mês passado. Já em Ponta Porã, 800 pessoas se imunizaram em janeiro, quatro vezes mais do que em dezembro.

“Embora a febre amarela urbana esteja extinta, a silvestre é tão perigosa quanto”, justifica a preocupação a comerciante Magda Perezola, logo após se imunizar contra a doença em um posto de vacinação em Ponta Porã.


Posto de vacinação na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero, fronteira com Ponta Porã (MS)(Foto: Reprodução/TV Morena)

O que é febre amarela?

A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos infestados. Em área rural ou de floresta, os macacos são os principais hospedeiros e a transmissão ocorre pela picada dos mosquitos transmissores infectados Haemagogus e Sabethes. Nas cidades, a doença pode ser transmitida principalmente por mosquitos da espécie Aedes aegypti. Não há transmissão direta de pessoa a pessoa.

Os sintomas iniciais da febre amarela incluem o início súbito de febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza.

 

Fonte: G1 

Imprimir