Cidadeverde.com
Geral

Velório de Aretha é marcado por emoção e revolta e família relata que ela sofria ameaças

Imprimir
  • 30ea9598-209c-4263-bcba-ee31bcd4745b.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • f61772d5-66c6-4687-a874-48f59ebf8627.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 5bb19584-3a4f-42c3-a6da-63f6b1de37cf.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 72dcac6c-bb1f-4432-b807-ac5e4be4af4d.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 97d39448-9d32-4d17-a1eb-6817376bec9c.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 717c2d6a-43e3-4c0a-b8fb-0c240c122f8b.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 5868e2c5-88af-4d58-8f10-2dfdaf8776cd.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com

Familiares e amigos de Aretha Dantas Claro, 33 anos, se despendiram, da cabeleireira durante velório, que aconteceu na casa da família no bairro Bela Vista, zona Sul de Teresina.O clima é de muita tristeza e revolta pelo crime bárbaro que encerrou com a vida da jovem.  O pai, Aldir Claro, muito abalado, não quis dar entrevistas, relatando apenas que um breve sentimento. "É de muita tristeza", declarou.  

Aretha foi encontrada morta ontem (15) na Avenida Maranhão, no bairro Tabuleta, zona Sul de Teresina. O corpo estava com pelo menos 20 perfurações por arma branca (faca) e sinais de atropelamento. Até o momento, a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) não informou sobre o suspeito, mas divulgou que o autor deixou "assinatura visível" no crime. 

Os parentes relataram ao Cidadeverde.com que ela era uma jovem muito querida pela familia. "É uma tristeza muito grande. Ela era uma menina muito amada, tinha muitoa amigos, sempre foi muito carinhosa. Participava de todas as festas da nossa familia e sempre foi muito respeitosa com todos os familiares", descreveu o tio Rubens Dantas.

O velório de Aretha ocorreu com o caixão aberto; anteriormente haviam comentando que estaria fechado. O corpo de Aretha foi sepultado também na manhã desta quarta-feira (16) no cemitério Santa Cruz, no bairro Promorar, na zona Sul de Teresina, na mesma cova da mãe, que faleceu há 13 anos. 

Aretha é a segunda filha de três irmãos. A vítima morava com a avó, no bairro Saci, também na zona Sul.  Ela já foi casada, mas não com o suspeito de ter praticado o crime. Com esse suspeito  da família, ela teve um namoro e chegou a morar com ele. Foi um relacionamento curto, que ja havia acabado, mas pouco se disse sobre este relacionamento.

"O que posso dizer é que esse é um comportamento no mínino contraditório para quem disse que amava. Isso nao é amor?", questionou o tio.

Aldir Filho, irmão da vítima, está recluso no quarto junto com a Irmã Aline Claro, mas chegou a declarar que o clima é de muita revolta.

"O nosso sentimento é de muita revolta mesmo", disse o irmão de Aretha. "Não tenho como confirmar, mas sei que minha Irmã vinha sim sofrendo ameaças desse rapaz desde o fim do namoro, há três meses", acrescentou.

Uma amiga próxima de Aretha, que não quis se identificar, disse que ela estava muito calada. "Ela era muito calada, sobre esse relacionamento e, ultimamente, não dizia mais nada. Foi realmente um susto e uma tristeza muito grande tudo que aconteceu". 



Câmara

Uma comissão de vereadores de Teresina esteve no velório prestando solidariedade a família de Aretha. O pai dela, Aldir Claro, é servidor da Câmara Municipal de Teresina. A sessão ordinária de hoje foi aberta e encerrada de forma simbólica pelo presidente.

"Decidimos vir para nos solidarizarmos e também pedir por justiça. Foi um crime bárbaro, vem acontecendo muito na cidade, precisamos de justiça", disse vereador Edson Melo.
 

Veja nota da Câmara de Teresina:

A sessão ordinária desta quarta-feira (16/05) foi aberta e encerrada de forma simbólica pelo presidente da Casa, vereador Jeová Alencar, sem que houvessem os trabalhos. A atitude se deu luto por conta da morte trágica da filha de um dos funcionários da Câmara, Aldir Claro, na manhã de terça-feira (15/05). Os vereadores participarão do velório da filha do servidor.

Câmara Municipal de Teresina 




Erica Paz, especial para o Cidadeverde.com 
redacao@cidadeverde.com 

Imprimir