Cidadeverde.com
Geral

Chez Gabi: empresária diz que vai pagar dívida com venda de apartamento

Imprimir
 
Acusada de estelionato, a empresária Ana Gabriela Coelho se apresentou nesta quarta-feira (16) à Polícia Civil, no 12º DP, após cumprimento de mandado de busca e apreensão no seu apartamento, que fica na zona Leste de Teresina. Na delegacia, a empresária informou que o pai vai vender um apartamento para pagar a sua dívida, que chega a R$ 400 mil. Ana Gabriela é acusada de vender produtos através de uma loja virtual (Chez Gabi) e não entregar a mercadoria. Ela vinha sendo investigada pela polícia desde o final do ano passado. 
 
Na saída da delegacia, a empresária não quis falar com a imprensa. Somente seu advogado, Marcos Vinícius Brito, apresentou sua defesa, dizendo que ela foi vítima de um agiota. Ana Gabriela contraiu um empréstimo que não pode pagar e desde então, não teve mais condições de fazer as viagens para comprar mercadorias porque o agiota está com cobranças na justiça. 
 
Marcos Vinícios Brito, explica a situação de sua cliente e garantiu que a mesma vai pagar o que deve aos seus clientes. “O pai dela está se desfazendo de um apartamento e vai vender para pagar todas as pessoas que comparecerem ao Ministério Público e provarem que compraram mercadoria. Aqueles que ela emprestou dinheiro, nós vamos analisar e ver a situação. Agora esses que compraram mercadoria, você pode ter certeza serão ressarcidos”, disse o advogado.
 
A alta do dólar foi a justificativa usada pelo advogado de Ana Gabriela para o cancelamento de suas viagens ao exterior para comprar mercadorias. Além disso, ele confirmou que um agiota para o qual Ana deve cerca de 25 mil reais, entrou na justiça cobrando o pagamento da dívida. “Houve uma alta do dólar e ela não pode mais viajar aos Estados Unidos, porque ele (agiota) a denunciou junto à alfândega. Então havia uma restrição na alfândega com o nome dela. E mercadoria que lá ela comprava por 3 mil e 500 reais, hoje ela estava comprando por 5 mil e 500.  Ela teria que pagar comissão para pessoas comprarem e mandarem para ela”, justificou.
 
O advogado disse que a empresária temeu por sua vida e por isso não estava justificando a falta de mercadoria para seus clientes. “Se eu te mostrar as ameaças que ela vinha sofrendo pelo whatsapp, você vai entender. Ameaças físicas como eu vou te matar, vou fazer isso e aquilo. Aí você imagina”, contou o advogado sobre as ameaças sofridas pela empresária por parte dos clientes para os quais ela está devendo.
 
O inquérito foi fechado e remetido ao Ministério Público. Segundo o delegado Ademar Canabrava, que cumpriu o mandado de busca e apreensão, nada foi encontrado no apartamento da empresária. “Ela realmente relata que foi vítima e está se manifestando que vai vender um apartamento para pagar a dívida. São muitas vítimas, o o débito dela é muito alto”, confirmou o delegado.
 
Mais de 100 pessoas se dizem vítima do suposto golpe aplicado pela empresária na cidade, contraído uma dívida de quase R$ 400 mil. 
 
Erica Paz Pereira, Especial para o Cidadeverde.com
redacao@cidadeverde.com
Imprimir