Cidadeverde.com
Geral

Soldado do Exército é denunciado por dirigir embriagado e matar uma pessoa

Imprimir
  • q3-1.jpg Divulgação/Internet
  • q1-2.jpg Divulgação/Internet
  • q2-2.jpg Divulgação/Internet
  • q3-1_(1).jpg Divulgação/Internet
  • q4-1.jpg Divulgação/Internet
  • q5-1.jpg Divulgação/Internet
  • q6-1.jpg Divulgação/Internet
  • q7.jpg Divulgação/Internet
  • 55b3b92d-d798-4bd1-8037-b7fbab770630.jpg Divulgação/Internet
  • 96efc496-a389-4b90-9473-05f1a819c5fa.jpg Divulgação/Internet
  • f3f654b9-ab2b-4fec-a5b3-b37442e002b6.jpg Divulgação/Internet
  • cfc0fedc-9701-46a0-ac77-0dc285940d1c.jpg Divulgação/Internet
  • cb1a940a-f42f-4d8b-a15a-17535be58c9d.jpg Divulgação/Internet
  • a132c12e-fc52-4633-b1fc-01167f6508ed.jpg Divulgação/Internet
  • 7ca6b566-2642-4f43-b399-11a8c14bde48.jpg Divulgação/Internet
  • 7a45b476-8739-4279-9384-f9402644317e.jpg Divulgação/Internet

O soldado do Exército, Denilson Sousa Cunha, foi denunciado pelo Ministério Público Militar por dirigir em estado de embriaguez o comboio do Exército que tombou provocando a morte do soldado do 2° Batalhão do Engenharia e Construção-BEC, Pedro Henrique de Morais Carvalho, de 18 anos. A denúncia foi encaminhada para a Justiça Militar no último dia 6 de junho. 

Denilson era o motorista do comboio que capotou as margens da PI- 133 no dia 9 de julho de 2017. Ele respondeu a inquérito militar conduzido pelo 2º BEC que o indicia pelo artigo 279 do Código Penal Militar - "Dirigir veículo motorizado, sob administração militar na via pública, encontrando-se em estado de embriaguez, por bebida alcoólica, ou qualquer outro inebriante".

Toda a movimentação do processo, desde a conclusão do inquérito e envio para o MPM, até a oferta da denúncia pelo promotor cearense Antônio Cerqueira, está publicada e disponibilizada para consulta processual pública no site do MPM. 

Convicto dos fatos apresentados pelo inquérito, o promotor encaminhou o caso para a Justiça Militar que decidirá se o denunciado será considerado réu no processo que já corre há cerca de um ano. Ainda na época do acidente a perícia realizada no local revelava a hipótese de falha humana, mas o caso foi conduzido em sigilo pelo Exército.

Família cobra respostas

Foto: Wilson Filho / Cidadeverde.com

Um ano após a morte, a família de Pedro Henrique ainda não tem explicações sobre as causas e nem recebeu nenhum auxílio do Exército e do poder público. O caso foi destaque no Jornal do Piauí da última segunda-feira (09).

A mãe do soldado, Amanda Santos, afirma com revolta que nunca recebeu um esclarecimento do Exército sobre o caso e diz que nunca recebeu nenhum benefício pela morte do filho, que morreu em serviço. O soldado estava com outros 25 militares no veículo, que saiu da estrada entre os municípios de Barras e Cabeceiras. "Entreguei meu filho lindo, alegre e cheio de sonhos e eles me entregaram morto", disse a mãe.

 A família do soldado entrou com ação na 2ª Vara da Justiça Federal, em Teresina, pedindo que a mãe receba uma indenização, porém a decisão do juiz Marcio Braga Magalhães foi de que o caso não era de competência da Justiça Federal e sim do Juizado Especial Federal.

Soldado Pedro Henrique que morreu no acidente

Exército

A assessoria de imprensa do 2° Batalhão do Engenharia e Construção-BEC informou que somente o comandante, coronel Alerrandro Leal Farias, que encontra-se em viagem, poderá dar declarações sobre o inquérito confeccionado pela organização. A assessoria reforça que o Exército tem somente o poder de investigação e que agora a Justiça conduzirá o processo para julgamento com base nas informações apresentadas.

O Cidadeverde.com tentou localizar o advogado de Denilson, mas até a publicação deste matéria momento não foi localizado. O portal reitera que está a inteira disponibilidade para futuros esclarecimentos da defesa do denunciado.

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

Imprimir