Cidadeverde.com
Política

Piauí integra investida do TSE para provar que urnas são seguras

Imprimir

Foto: Luccas Araújo

A ministra Rosa Weber, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), orientou que todos os Tribunais Regionais combatam as informações de que as urnas eletrônicas não são seguras. O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI), Sebastião Ribeiro Martins, participou de reunião em Brasília e garantiu que nenhuma suspeita foi comprovada até agora e que ao final do 2º turno estará provado que a votação é segura.

"A presidente pediu aos tribunais que informasse mais a população sobre a segurança das urnas. Tem muitas notícias falsas sobre a urna eletrônica. Nenhuma dessas ocorrências foram comprovadas. Nenhuma fraude foi comprovada felizmente. Houve auditoria no  Paraná, Santa Catarina, São Paulo. Tivemos problemas técnicos e não de votação. Quando ela apresenta defeitos é trocada", disse.

A orientação é que o eleitor vote com calma. Segundo o presidente do TRE-PI, o TSE prepara uma investida nas redes sociais sobre o assunto. "O próprio setor de comunicação do TSE disse que combaterá uma informação falsa com uma verdadeira. O TSE vai lançar vários vídeos inclusive no whatsapp e mostrar que a urna é segura. Para combater a fake news, só com informação verdadeira", declarou, ressaltando que o TSE vem sendo  vítima de uma campanha em massa.

Fechamento do STF

Martins disse que todos os tribunais declaram apoio à ministra Rosa Weber,  vítima de ameaças na internet. Ele também comentou o episódio envolvendo o filho do candidato Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, que em vídeo defendeu o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF).

"Todos os presidentes dos TREs deram apoio à ministra. Ela foi até ameaçada. Num país democrático nós devemos acreditar nas instituições. As instituições devem ser preservadas nos três poderes. Não podemos falar em fechamento em nenhum desses poderes. Na ditadura sim, na democracia não. É um absurdo uma declaração dessas de fechar o STF. O TSE é vítima de uma campanha maciça. As redes sociais têm muita coisa boa, mas tem esse lado também. Atacando a própria instituição o TSE. A resposta maior é no final do 2º turno, quando vamos comprovar  que a urna é segura", finalizou.

Hérlon Moraes
herlonmoraes@cidadeverde.com

Imprimir