Cidadeverde.com
Geral

Bombeiros controlam fogo no assentamento Santa Clara após dois dias

Imprimir

Foto: Divulgação Corpo de Bombeiros

Um incêndio no assentamento Santa Clara, em Canto do Buriti (a 405 km de Teresina), foi completamente controlado na manhã desta terça-feira(10) por equipes do Corpo de Bombeiros de Floriano, depois de dois dias. O fogo no mato havia começado no domingo(08), controlado ainda à noite, mas teria voltado na manhã de segunda(09). A fazenda é a mesma que teria provocado um apagão em 2013, em todo o Nordeste, também por conta de um grande incêndio.

As chamas ameaçavam algumas residências, uma escola e um posto de saúde, por isso precisava de uma atenção maior. 

Segundo o subcomandante da Companhia Destacada de Floriano do Corpo de Bombeiros, tenente Lucas Xavier, o local era uma fazenda de biodiesel que está desativada e que além da sede (núcleo) existem povoados (células) ao redor, com ex-funcionários que hoje sobrevivem da agricultura de subsistência e criam animais.

“O fogo começou em uma célula e se alastrou pelas outras, chegando até o núcleo, mas não atingiu as casas, porque eles têm o cuidado de capinar ao redor. Só próximo ao posto de saúde que tinha uma vegetação alta, mas não atingiu a edificação, no entanto o ar condicionado queimou. A escola teve umas ripas do telhado e uma porta queimadas, mas em nenhuma houve danos maiores”, descreveu o tenente Lucas Xavier. 

 

Ele disse que ainda não se sabe como o fogo reiniciou ne segunda-feira, já que no domingo, os bombeiros tinham apagado. Mas, que com esse segundo combate, foi extinto completamente.

“Já foi controlado, mas queimou durante dois dias. No primeiro dia nós apagamos e de uma forma inesperada havia voltado. De ontem para hoje nossa equipe dormiu lá e executou todos os procedimentos de inspeção e medidas de proteção e o chefe da guarnição nos informou que o problema havia sido resolvido”, afirmou o subcomandante. 

Os bombeiros acreditam que 40% da vegetação da fazenda foi queimada, mas não sabe precisar quantos hectares. “O fogo estava espaçado, queimava em uns lugares e outros não, a gente acredita que o vento foi um dos fatores que pode ter favorecido para propagação”, acredita o oficial militar.

Linhas de transmissão

O subcomandante enfatizou ainda que as linhas de transmissão da Chesf que passam pelo local não foram atingidas, mesmo a vegetação embaixo sendo atingida. "Embaixo das linhas de transmissão a área é toda capinada, só possui vegetação rasteira, que apesar de ter pego fogo, não foi capaz de causar danos", garantiu o tenente Lucas. 

Em 2013, um incêndio atingiu o local e provocou um apagão em todo o Nordeste. Na época, os estados ficaram uma hora e meia sem energia. O Ibama fez perícia para saber as causas do incêndio.

 


Caroline Oliveira
redacao@cidadeverde.com

Imprimir