Cidadeverde.com
Geral

Teresina registrou 231 casos de clonagem de contas do Whatsapp em apenas 1 ano

Imprimir

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Como em todo Brasil, a clonagem de contas do aplicativo de mensagens instantâneas Whatsapp também está acontecendo com frequência no Piauí.  Dados da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática revelam que de 2017 a 2019 um total de 275 clonagens foram registradas somente em Teresina.

Para se ter uma ideia de como o golpe tem crescido, destas 275 registradas em Teresina, 231 ocorreram apenas entre os anos de 2018 e 2019. O delegado Anchieta Nery afirma que o número pode ser ainda maior porque há casos onde as vítimas não chegam a registrar Boletim de Ocorrência. 

A clonagem de contas do Whatsapp configura crime de falsa identidade. O estelionatário clona a conta do usuário, tem acesso aos seus contatos e envia mensagens, na maioria das vezes, a amigos e familiares pedindo dinheiro.  O bandido finge que é o verdadeiro dono da conta e pergunta, geralmente, se o amigo pode lhe fazer uma transferência bancária de forma urgente. 

"No início de 2018 esse tipo de estelionato é, que clonando  o Whatsapp da vítima para pedir dinheiro para familiares e amigos, exigia uma engenharia  um pouco maior do criminoso, eles usavam uma  técnica que a gente chama de SIM Swap. Inicialmente se clonava o chip da pessoa para receber o SMS com código de ativação do Whatsapp, então a pessoa perdia sua conta do Whatsapp e seu chip. O atacante para fazer isso precisava ter acesso ao sistema da operadora , geralmente era alguém vinculado com  a operadora de telefonia", conta o delegado Anchieta Nery, titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática.

Foto:Izabella Pimentel

O delegado explica que atualmente "ficou mais fácil" aplicar o golpe e  os estelionatários estão clonando as contas do Whatsapp através do próprio aplicativo.  "Hoje a maioria dos ataques não estão sendo por meio do SIM Swap. A clonagem é somente da  conta do aplicativo Whatsapp. Ele [golpista] tenta fazer a recuperação da conta e para isso vai chegar um código de verificação. Para descobrir qual é esse código de verificação que chegou para o verdadeiro dono da conta ele usa de engenharia social, ele se passar por alguma empresa, pelo próprio Whatsapp e  a vítima acaba entregando esse código de verificação que chegou por SMS.

O empresário Bruno Sérvio foi uma das vítimas. Ele anunciou um carro no site de vendas OLX e dois dias após o anúncio teve a conta do Whatsapp clonada.  O estelionatário tentou extorquir mais de 20 pessoas que estavam entre os contatos de Bruno.

"Anunciei um carro na OLX  e uns dois dias depois eu recebi uma ligação de um número de São Paulo. Eu atendi a ligação e a pessoa me informou ser da OLX e aí ela me pediu para eu confirmar os dados do veículo que eu anunciei. Não pediu para informar nome, e-mail, CPF nada,pediu para confirmar os dados do veículo. Eu confirmei os dados do veículo, que estavam público no anúncio, e ai ela me informou que eu iria receber um e-mail no e-mail de cadastro. Quando recebi eu tinha que clicar num link para confirmar. O link  era do Whatsapp e aí eu fiquei achando que tinha algo errado", conta Bruno. 

O empresário lembra que pouco tempo depois de clicar no link seu celular "apagou"e quando o aparelho voltou a funcionar ele não conseguiu mais acessar o Whatsapp. 

"Nessa hora eu estava perto da minha esposa e ela recebeu uma mensagem do meu número dizendo que eu tinha bloqueado a senha do banco e precisava fazer um pagamento. E pedia para ela fazer um pagamento. Minha esposa mandou mensagem para várias pessoas avisando que era, avisei no instagram, e por isso ninguém chegou a depositar dinheiro. O golpista tentou extorquir entre 20 a 30 pessoas dos meus contatos, mas não conseguiu", conta empresário Bruno.

 

Para um dos contatos de Bruno, o golpista chegou a pedir R$ 2.050.  O delegado Anchieta Nery alerta que para se resguardar desse tipo de golpe as pessoas precisam ter cuidados como manter antivírus atualizado no computador e celular, evitar usar Wi Fi de redes públicas e não confiar quando empresas entram em contato pedindo dados pessoais. 

O delegado orienta, ainda, que os usuários acionem a verificação de duas etapas em contas de aplicativos e redes sociais. Para acionar a proteção extra no Whatsapp basta abrir o aplicativo , ir até a aba “Configurações”, escolher  o item “Conta”, selecionar a  “Verificação em duas etapas” e clique em “Ativar”.

"Com a verificação de duas etapas você tem uma segurança maior", afirma. 


Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com 

Imprimir