Cidadeverde.com
Geral

"E se defendesse a inquisição, qual o problema? diz estudante que invadiu ato das mulheres

Imprimir

Desde o último sábado (21), o estudante de História, José Ribas Netto, 22 anos, é alvo de divergências entre internautas. 

Ele, junto com amigos, invadiram o ato das mulheres e condenaram o protesto em frente a igreja São Benedito, no Centro de Teresina. José Ribas, que faz curso com Olavo de Carvalho, e se diz católico, vê o ato nas escadarias da São Benedito como um ataque a igreja. Ao falar ao portal Cidadeverde.com pelo seu Facebook - alegou que não tinha WhatApp - o estudante nega acusação contra ele e diz que não vê problema em defender a inquisição. Ele foi para o protesto vestido, segundo ele, não de homem templário, mas de "cavaleiro de Malta".

Segue a entrevista:

Porque você se vestiu de cavaleiro medieval?

Não é templário. A vestimenta que usei remete a Ordem Soberana e Militar de Malta, a Ordem dos Hospitaleiros. 

Qual é a reclamação de vocês com o movimento de mulheres?

Primeiramente é invasão de propriedade, apesar de ser aberta ao público a igreja está sobre a jurisdição da Arquidiocese e a Arquidiocese está abaixo de Roma. Tanto o catecismo quanto o código de direito canônico expressa claramente suas críticas a profanação do sagrado e a heresias (gnose), então, mesmo que digam que autorizaram, estão se contradizendo perante a sã e sagrada doutrina Católica. O segundo ponto é claro, o que elas fizeram tem uma natureza antirreligiosa, já que são defensoras do aborto (famoso lenço verde) e suas críticas ao estupro visava atacar também a tradição religiosa, a escolha do local não foi ao acaso. Além disso, afirmar que 'todo' homem é um estuprador, mesmo que em potencial é absurdo e criminoso, é um ato de puro histrionismo da parte delas. Chegam a afirmar em sua música que o presidente, o judiciário e até a policia é formada por abusadores, isso é falso. Nem todo homem é um monstro canalha que viola mulheres, e estes que são devem ser punidos na forma da lei.

Você acha que o ato  desrespeita a igreja?

Eu como católico fui expulso da porta da Igreja, um local sagrado para o rito cristão por me colocar de pé, com os braços cruzados e de costas para elas. A pergunta nevrálgica é porque ali? tantos lugares, quem sabe o Tribunal de Justiça (poder Judiciário), das duas câmaras da cidade (Legislativo) ou na frente do Karnak (Executivo), mas fizeram na porta da Igreja, repetindo o que se fez no Chile e Argentina, a profanação do sagrado. Isso é além de desrespeito, beira a intolerância religiosa.
Imagine que nós, cristão, ficássemos na frente de um terreiro de umbanda entoando frases de natureza antirreligiosa, demonizando a fé dessas pessoas, seriamos processados e presos de acordo com a lei Lei nº 11.635/2007, Lei nº 9.459/1997 e o artigo 208 do código de direito penal; mas elas podem, isso é uma falsa simetria, é endossar o vilipendio e o desrespeito.

O que representa os cavaleiros templários pra você?

Se você estudar os grandes historiadores medievais, os medievalistas, indico até um brasileiro, prof. Ricardo da Costa. Verá que eram um grupo que visava a defesa de fé e dos valores cristãs. Se hoje você pode usar saia e dirigir, e se é crime um marmanjo de 30 anos violar uma menina de 9 anos, agradeça a eles por proteger o que é de fato bom, belo e justo.

Você é estudante de História?

Estudo, diferente desse grupelho eu ainda tenho cultura e a capacidade crítica. Sou um ávido leitor de história medieval e filosofia política.

Como vê o movimento de mulheres contra a violência?

Tem o total direito, mas o que não percebem é que não passam de massa de manobra política de uma ideologia sem sentido e os meios que dizem que usarão para combater o machismo esconde toda uma agenda progressista de apoio ao aborto, misandria (odiar homens) e tutti quanti (todos). Questione quantas delas defendem a liberação de armas, poucas, nenhuma. Mesmo que os dados nos mostrem que quanto mais armado uma sociedade, menor o índice de abuso de mulheres (veja as pesquisas da Harvard Law), pois elas tem o poder de reação. Outra coisa é, existe sim um número altíssimo de falsas denuncias de abusos, mesmo que neguem. Só no Rio de Janeiro a Vara da crianças estipulou que 70% das denuncias de abusos que as mulheres prestavam eram falsas, você já imaginou ser falsamente acusado de estupro? Ter sua vida, emprego e tudo mais destruído com uma mentira?

Estudante José Ribas Netto / foto: Facebook

Tem recebido apoio?

O movimento tomou proporções inimagináveis. Recebi apoio de padres, empresários, leigos católicos e cristão em geral. O BasedPoland, um movimento polonês nos apoiou, bem como cristãos da Inglaterra, Itália, etc.

Por que se vestir de cavaleiro?

Porque é simbólico e bonito, aesthetic (quer dizer estética). Somente uma mente embebida no progressivismo positivista dessa época cada vez menos religiosa é que não conseguem entender o poder dos símbolos para um povo, Isso foi discutido em Mircea Eliade, Strauss e em René Girard e foi daí que eu tirei a sacada da vestimenta.

As mulheres presentes afirmam que você disse que elas deveriam "procurar um lavado"...

Impropérios da parte delas, quem nos chamou de estupradores foi as mesmas, tem vídeo sobre que prova o que arrogo. E se defendesse a volta da inquisição, qual o problema? O problema é que não fiz tal defesa.Eu só me importo com as criticas vinda daquelas senhoras que vão a missa aos sábados, essas tem algo de valoroso para no dizer. O resto é mera retórica diversionista de gente com graves problemas de ordem mental e moral.

Você frequenta que igreja?

Nossa Senhora do Amparo

É de Teresina?

Sim, sou

A quanto tempo veem defendendo essas ideias?

Uns 5 anos

Além de estudar História, o que você faz da vida?

Como todo cidadão eu trabalho, estudo a língua latina e grega e sou aluno do COF - curso de filosofia e ciência política - do professor Olavo (de Carvalho, o guru do presidente Jair Bolsonaro).

 

Flash Yala Sena
[email protected]

Imprimir