Cidadeverde.com
Geral

Arquidiocese lança Campanha da Fraternidade inspirada em Santa Dulce dos Pobres

Imprimir
  • arcebispo-yasmim.jpg Yasmim Cunha/Cidadeverde.com
  • campanha.jpg Yasmim Cunha/Cidadeverde.com
  • campanha1.jpg Yasmim Cunha/Cidadeverde.com
  • campanha-fraternidade.jpg Yasmim Cunha/Cidadeverde.com
  • campanha-fraternidade-yasmim.jpg Yasmim Cunha/Cidadeverde.com
  • padretony.jpg Yasmim Cunha/Cidadeverde.com

A Arquidiocese de Teresina lançou na manhã desta quinta-feira (27) o tema da Campanha da Fraternidade de 2020. Neste ano, a  campanha tem como tema “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso” e lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34). A campanha deste ano é inspirada em Santa Dulce dos Pobres. 

Arcebispo de Teresina, Dom Jacinto Brito, afirma que o tema da Campanha da Fraternidade é inspirado na Santa Dulce dos Pobres.  "Ela é um exemplo de ser humano. Alguém que olhava para os pobres como filhos de Deus. Era alguém que amava a todos e valorizava a vida de todos. Um exemplo a ser seguido por todos que se dizem Cristãos", disse.

O objetivo da campanha é chamar a atenção para o sentido da vida como um compromisso e dom dado por Deus. O arcebispo afirma que a vida tem sido tratada com indiferença.

"Se acostuma com o homem de rua, com o drogado, migrantes jogados no mar. Esse descarte. Não podemos ser humanos assim. Queremos conclamar. Queremos um grito de alerta em nome do Cristo", disse.

Dom Jacinto afirma que falta maior diálogo na sociedade. 

"Para que a vida possa fluir se precisa de diálogo. Vai também pela linha institucional. Esse tema foi escolhido há dois anos diante da indiferença diante da vida. A vida anda ameaçada", destacou.

O evento de lançamento contou com a presença do governador Wellington Dias.  Durante entrevista, o governador destacou a importância da campanha.

"A campanha nos traz uma reflexão atual. Necessidade de cuidar um do outro. Independente se é autoridade ou não", disse.  

O prefeito Firmino Filho falou da necessidade de reflexão sobre o amor ao próximo.

"Uma reflexão sobre como vivemos. Uma sociedade fria que vai deixando de lado a compaixão. É um chamamento para aquecer o nosso coração. Não só se indignar, mas agir para combatê-las", disse.

Flash Lídia Brito
[email protected]

Imprimir