Cidadeverde.com
Geral

Tribunal absolve ex-mulher de economista acusada de forjar morte

Imprimir

Foto: Yasmim Cunha/ Cidadeverde.com

Irmã de Afonso Júnior em depoimento ao Tribunal do Júri.

Após quase 24 horas de julgamento, o Conselho de Sentença absolveu nesta terça-feira (3) por 4 votos contra 3 a ré Cybelle Moura de Carvalho que era acusada de ter sido autora intelectual do assassinato do ex-marido, o economista José Afonso Vieira dos Santos Júnior

Afonso Júnior foi encontrado morto dentro de casa em outubro de 2006, no bairro Primavera, zona Norte de Teresina.

Em quase 14 anos de tramitação na justiça, o caso gerou polêmicas e foi adiado sete vezes. A hipótese inicial de suicídio foi contestada pela família que acreditava que Cybele Moura tinha envolvimento com a morte. O corpo do economista chegou a ser exumado duas vezes para análise. 

Foto: arquivo pessoal

Para a defesa de Cybele Moura, as provas que contestavam o suicídio eram inconsistentes. 

“Nós, por intermédio de profissionais de alto gabarito da medicina legal, apontamos todas as inconsistências, todas as falhas que ocorreram nesta primeira exumação e, como sabido, ocorreu uma segunda exumação onde restou inconclusiva ou seja, não pode se apontar a causa da morte dessa vítima que acabou se suicidando”, explicou o assistente de defesa, o advogado Yuri Felix.

O julgamento iniciou às 9h desta segunda-feira (2), foi suspenso após às 0h desta terça e voltou no início da manhã. A ré foi absolvida no final da tarde.

Habeas corpus

Uma decisão do Tribunal de Justiça do Piauí concedeu antes do resultado do júri uma liminar em sede de habeas corpus determinando que a acusada não seria presa de forma imediata caso fosse condenada. 

Cybele Moura respondia ao processo em liberdade. Ela foi interrogada por volta das 23h dessa segunda-feira (02). O depoimento durou cerca de 1h. Ela voltou a negar envolvimento com a morte do ex-marido e se mostrou abalada. 

MATÉRIAS RELACIONADAS

"A justiça virá", diz irmã de economista morto em suposto suicídio no Piauí

Após 11 anos, suposto suicídio de economista irá a julgamento no Piauí

Valmir Macêdo
[email protected]

Imprimir