Cidadeverde.com
Esporte

Aniversário de 70 anos do Estádio Mário Filho-Maracanã

Imprimir

A história do futebol brasileiro registra que em 1938 o Presidente da FIFA, Jules Rimet, esteve no Rio de Janeiro, quando aceitou a candidatura da cidade para sediar a Copa do Mundo de 1950. 

Estádio Mario Filho – Maracanã – Foto: Divulgação

Era Prefeito da Cidade Maravilhosa o Sr. Mendes de Morais. Consta que o vereador Carlos Lacerda queria a obra em outro bairro, mas prevaleceu a opinião de Mário Rodrigues Filho, jornalista e escritor de grande conceito, irmão de Nelson Rodrigues, também figura do primeiro time do jornalismo brasileiro. 

Mário Filho criou a expressão Fla-Flu(o clássico Flamengo x Fluminense), fundou o maravilhoso Jornal dos Sports, criou os Jogos da Primavera, o Torneio de Pelada no Aterro do Flamengo, os Jogos Infantis, incentivou a realização do Torneio Rio-São Paulo, durante anos manteve uma página na revista Manchete Esportiva. 

Mário Filho nasceu em Recife, Pernambuco, em 1908, e morreu de infarto no Rio em 1966, com apenas 58 anos de idade. Em sua homenagem o Estádio do Maracanã ganhou o nome de Estádio Jornalista Mário Rodrigues Filho.

A inauguração do Maracanã, com a obra incompleta, aconteceu no dia 16 de junho de 1950 com o jogo Seleção Carioca 1 x 2 Seleção Paulista. O primeiro gol foi marcado por Didi, que viria a ser bicampeão do mundo pelo Brasil em 1958 e 1962. 

Logo em seguida começou a Copa do Mundo, que teve Brasil e Uruguai na grande final. Os brasileiros perderam o jogo por 2 x 1 e os uruguaios fizeram a festa. Consta que o público foi de 199 mil pessoas, não oficial. Em 2014 o Maracanã voltou a receber uma Copa do Mundo e o Brasil não foi à final, na qual a Alemanha ganhou da Argentina por 1 x 0.

Outros grandes espetáculos de futebol de nível internacional aconteceram no Maracanã, com destaques para: Jogos Olímpicos de 2016, despedidas de Pelé, Garrincha, Zico e outros craques; Copa das Nações, Eliminatórias de Copa do Mundo, Copa América, Copa do Sesquicentanário da Independência do Brasil(1972), finais de Libertadores da América; apresentação do Real Madrid dos craques Puskas, Distéfano & Cia.; final do mundial de clubes Vasco da Gama x Corinthians.

CLÁSSICOS BRASILEIROS

Dezenas de clássicos locais e nacionais foram decididos no Maracanã, perante públicos extraordinários. Um Fla 0 x 0 Flu (Flamengo campeão) valendo o título carioca bateu o recorde de público no futebol mundial com 177 mil pagantes. 

Vários outros clássicos tiveram públicos acima de 100 mil torcedores, assim como Flamengo 2 x 1 Vasco da Gama ( 160 mil ), Flamengo 3 x 0 Santos (155 mil). 

Após a reforma para a Copa do Mundo de 2014, a capacidade do Estádio ficou em pouco mais de 70 mil. É que deixaram de existir as gerais e as arquibancadas, cujos espaços foram ocupados por cadeiras.

PIAUIENSES NO MARACANÃ

O futebol piauiense esteve 5 vezes no Maracanã, em competições nacionais, representado por Tiradentes, Auto Esporte e River. Os jogos foram os seguintes: 

1973 - Campeonato Nacional: Tiradentes 0 x 2 Vasco da Gama

1974 - Campeonato Nacional: Tiradentes 0 x 4 Flamengo

1982 - Campeonato Nacional: River 2 x 5 Botafogo

1984 - Campeonato Nacional: Auto Esporte 0 x 2 Botafogo

2000 - Copa do Brasil: River 1 x 3 Flamengo

O amigo Idelfran passou uma colaboração importante. Realmente esqueci de citar o jogo Fluminense 2x0 Flamengo-´PI, no Maracanã, pela Copa do Brasil 2003.

O artilheiro Sima marcou 2 gols diante do Botafogo. Outro piauiense que marcou no Maracanã foi o volante Jonas, atuando pelo Flamengo-RJ em clássico com o Fluminense.

Eu tive o prazer de trabalhar em 30 jogos no Maracanã, fazendo transmissão de Rádio para o Estado do Piauí. Foram 14 jogos da Seleção Brasileira, 13 jogos de Campeonato Carioca e Campeonato Brasileiro e 03 jogos piauienses, sendo 02 do Tiradentes e 01 do Auto Esporte. 

River x Botafogo foi narrado por Valdir Araújo e River x Flamengo fizemos narração do estúdio, em Teresina. Os meus companheiros de trabalho no Maracanã foram Émerson Brandão, Gilberto Melo, Galego, Aluísio de Castro e Carlos Said.

Dídimo de Castro
[email protected]

Imprimir