Cidadeverde.com
Geral

Presidente do CRMV defende "saúde única" para evitar propagação da Febre do Nilo

Imprimir

O presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) do Estado do Piauí, Anísio Lima Neto, defende que a doença Febre do Nilo Ocidental deve ser combatida no estado seguindo o conceito de "Saúde Única". A Fundação Municipal de Saúde (FMS) confirmou na tarde de quarta-feira (05) um caso da doença em Teresina e iniciou uma investigação para identificar a transmissão da doença e, com isso, tentar isolar o vírus transmissor dessa enfermidade. 

"A saúde única é a saúde ambiental, animal e humana. Essa saúde não se desassocia. (...) A nossa base nutricional é proteína de origem animal. Nós só teremos uma saúde completa, uma saúde preventiva, se esses ambientes tiverem harmônicos e equilibrados" 

Anísio Neto acrescenta que agora em meio ao combate ao novo coronavírus, na pandemia da Covid-19, o Piauí "se deparou" com a identificação da Febre do Nilo Ocidental, provoca enfermidades e mortes nos seres humanos. 

"O Piauí e o Brasil necessitam de um serviço de saúde público equipado para responder as demandas que apresentam nesse mundo moderno. Então, hoje o momento é prevenir para que não tenhamos uma nova pandemia. Precisamos entender a necessidade da harmonia do homem com o meio ambiente: evitar o desmatamento, evitar acúmulo de lixo, promover a educação sanitária e ambiental junto com a sociedade".

Para combater desde já a transmissão da Febre do Nilo Ocidental, que ocorre por meio da picada do mosquito infectado com o vírus da doença, "é necessário que tenhamos ações públicas de preservação ambiental para que evitemos a proliferação dos transmissores".

"Concomitantemente a isso, ações de saneamento e de educação para não somente combater a Febre do Nilo, mas combater o conjunto de doenças bacterianas, doenças viróticas, intoxicação alimentares,  que provoca, agravos nos seres humanos. A saúde única é fundamental nesse processo: a saúde humana, a saúde ambiental, a saúde animal".

Anísio Lima Neto também defende a segurança alimentar. "Consumir a proteína animal com segurança. Alimento seguro, que começa na unidade de produção, na fazenda propriamente dito, até a gôndola do supermercado. Isso é fundamental. E como isso é feito?  fortalecendo ações de defesa agropecuária, de inspeção e vigilância sanitária. Manter os serviços de saúde humana que trabalhe a profilaxia. A saúde única não é de responsabilidade somente da Medicina Veterinária, ela é de responsabilidade da sociedade". 

A doença 

A FMS explica que a "Febre do Nilo Ocidental é uma infecção viral transmitida pelo mosquito Culex (mosquito comum). É uma arbovirose, assim como a dengue, a zika e a chikungunya. “Este vetor pica uma ave migratória, que vem infectada de outro país, e sai transmitindo para as pessoas. Ela acomete aves, equídeos e o ser humano”.

Carlienne Carpaso
[email protected] 

 

Imprimir