Cidadeverde.com
Geral

UFPI nega irregularidades na consulta acadêmica para escolha do novo reitor

Imprimir

 


A Administração da Universidade Federal do Piauí (UFPI) negou a existência de irregularidades no processo de escolha do futuro reitor da instituição. Durante entrevista coletiva realizada na manhã desta quinta-feira (27), o reitor, Arimateia Dantas, e técnicos esclareceram questões relacionadas à consulta acadêmica realizada no último dia 12 agosto, de forma remota. 

Uma decisão da Justiça Federal suspendeu a reunião do Conselho Universitário, marcada para ontem, que definiria a lista tríplice a ser encaminhada  à Presidência da República.  A decisão atende a um mandado de segurança impetrado pela candidata Sandra Ramos (Chapa 01), que questiona a segurança do sistema de votação eletrônico utilizado na consulta. 

Durante sua fala, o reitor afirmou que Universidade já apresentou as informações solicitadas pela Justiça e que aguarda a liberação para a continuidade do processo de escolha. Ele também defendeu a segurança do processo de votação remoto e destacou que essa era a alternativa mais viável para a realização da consulta, por conta da pandemia da Covid-19.

 "Foi feita de forma remota por ser a forma mais segura, e porque a outra opção que havia sido sugerida, a eleição por meio de Drive Thru, era completamente inviável. Não havia outra forma segura de fazer a eleição a não ser a remota. Vamos  enviar as explicações solicitadas e confiamos plenamente na decisão judicial. Tudo que foi contestado, foi explicado. Não há nenhuma irregularidade", destacou Arimateia Dantas. 

O superintendente de Tecnologia da Informação da UFPI, Euclydes Melo, também participou da entrevista coletiva e saiu em defesa dos sistema SIG Eleição, utilizado para a consulta acadêmica. "Cabe destacar que mais de 1700 eleições já foram realizadas utilizando esse sistema em universidades de todo o país. Todas essas eleições, do ponto de vista técnico, foram realizadas com sucesso, inclusive a nossa, sem nenhum registro de incidente que possa comprometer a lisura do processo", disse. 

Lista tríplice 

Sobre a formação da lista tríplice pelo Conselho Universitário, Arimateia Dantas explicou que, mesmo sem obrigatoriedade legal, apenas nomes que participaram da consulta acadêmica estarão disponiveis para voto dos conselheiros.  

"Só foram inscritos aqueles candidatos que participaram da consulta acadêmica. Não há nenhum risco de termos na lista tríplice nomes que não tenham participado da consulta", afirmou o reitor, ao destacar que a expectativa é que o resultado da consulta se repita no Conselho e que o candidato mais votado encabece a lista tríplice. 

O Conselho Universitário tem até o dia 18 de setembro para encaminhar a lista tríplice à Presidência da República. Caso o envio não aconteça, um reitor pro-tempore pode ser nomeado pelo Governo Federal para administrar a instituição.  

O reitor também negou que tenha interferido no processo em favor de seu candidato, André Macedo (Chapa 04). "Não participei do sistema de operação das votações. Uma prova de que não interferi foi a minha postura no Conselho Universitário. Os membros do Conselho tiveram liberdade de votar em que quisessem", disse. 

A Consulta 

Ao todo, cinco chapas participaram da consulta acadêmica para escolha dos futuros reitor e vice-reitor da Universidade Federal do Piauí, realizada no último dia 12 de agosto. 

A chapa 04 (Fortalecer, Conectar e Inovar), que tem André Macedo Santana como candidato a Reitor,  e Carlos Sait Pereira de Andrade disputando o cargo de Vice-Reitor, conquistou o primeiro lugar na consulta.

De acordo com o comitê eleitoral que coordenou o proceso, 13.919 eleitores participaram da votação, entre docentes, estudantes e servidores. 

O mandato do atual reitor, Arimatéia Dantas Lopes, termina no mês de novembro.

 

 

 

 

Natanael Souza
[email protected] 

Imprimir