Cidadeverde.com
Esporte

Cristiano Ronaldo diz que quer conquistar 'Itália, Europa e o mundo' com Juventus

Imprimir

Foto: Adidas/Divulgação

De volta a Turim para os treinamentos de pré-temporada na Juventus, que começaram na última segunda-feira, o craque português Cristiano Ronaldo reforçou nesta quinta, em uma postagem em suas redes sociais, a sua vontade de conquistar "a Itália, a Europa e o mundo" pela equipe, exaltando os valores e a paixão do clube italiano.

"Enquanto me preparo para a minha terceira temporada como ‘bianconero’ (branco e preto, em tradução livre), o meu espírito e ambição estão tão elevados como sempre. Metas. Vitórias. Comprometimento. Dedicação. Profissionalismo. Com todas as minhas forças e com a preciosa ajuda dos meus companheiros e de toda a equipe da Juventus, trabalhamos mais uma vez para conquistar a Itália, a Europa e o Mundo!", sintetizou o atleta.

Aos 35 anos, Cristiano Ronaldo ambiciona conquistar a Liga dos Campeões da Europa - ganhou quatro pelo Real Madrid e uma pelo Manchester United - pela Juventus, onde ajudou a garantir os dois últimos títulos dos nove seguidos no Campeonato Italiano.

Na primeira temporada do português no elenco, a Juventus foi eliminada pelo Ajax, da Holanda, nas quartas de final. Na edição passada, a equipe caiu para o Lyon, da França, ainda nas oitavas

"Quebrar recordes. Ultrapassar obstáculos. Conquistar títulos e alcançar metas pessoais. Fazer mais e melhor, mais uma vez. Chegar mais longe e ter sucesso em todos os desafios que se coloquem no nosso caminho. Tornar cada ano uma aventura melhor do que a anterior e vencer tudo com a ajuda dos torcedores", prosseguiu Cristiano Ronaldo.

A temporada 2020/2021 do Campeonato Italiano começará no dia 19 de setembro e o português promete honrar a "fantástica e única paixão que é a Juventus". "Fazer jus à sua história, elevando o nosso nome, os nossos valores e os nossos padrões o mais alto possível. Somos a Juventus! Somos os campeões! Estamos de volta e mais fortes do que nunca! Contamos com todos", concluiu.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir