Cidadeverde.com
Últimas

Piauí registra 16 casos de feminicídio e cresce em 45% denúncias no Salve Maria

Imprimir

 
Mais mulheres vítimas de violência doméstica acionaram o aplicativo Salve Maria no primeiro semestre de 2020, quando comparado ao primeiro semestre de 2019, aponta o 4º Boletim de Ocorrências de Violência Contra a Mulher, divulgado pela Secretaria Estadual de Segurança Pública.  O Piauí já registra, somente no ano de 2020, 16 vítimas de femicídio, sendo que 13 ocorreram no primeiro semestre do ano. 

Considerando que o país vive o isolamento social devido a pandemia do novo coronavírus, os dados apresentam uma comparação entre os meses de março a julho dos anos de 2019 e 2020, quanto ao uso do aplicativo Salve Maria:
 
 
A delegada Bruna Verena, coordenadora do Departamento Estadual de Proteção a Mulher, fala sobre o aumento virtual de denúncias pelo aplicativo já que, por outro lado, o levantamento semestral comprovou a redução no número de registro presencial de boletins de ocorrência (B.O.) nas Delegacias da Mulher. O Departamento de Proteção à Mulher é responsável por adotar estratégias de combate à violência contra a mulher. 
 
"Tivemos o aumento das denúncias ditas virtuais, que são aquelas feitas através do aplicativo Salve Maria. A gente orienta a população e as mulheres vítimas de violência para que continuem denunciando, seja virtualmente através do Salve Maria seja presencialmente nas Delegacias de Polícia, no B.O. Eletrônico  da Polícia Civil", diz.
 
Bruna Verena ressalta que a denunciante pode entrar no site da Polícia Civil do Piauí para registrar um boletim de ocorrência eletrônico. 

Feminicídios
 
O 4º Boletim traz dados do primeiro semestre. Nesse balanço, a Secretaria de Segurança contabiliza 17 vítimas de feminicídio em 2019 e 13 vítimas em 2020. As três outras vítimas, que somam 16, foram assassinadas nos meses de agosto e setembro, já no segundo semestre, por isso fora da contabilização. 
 
Um dos últimos feminicídios ocorreu na cidade de Bom Jesus e gerou grande comoção. Por justiça, moradores de Bom Jesus protestaram em frente a Delegacia Regional após o assassinato de Miriam Silva de Santana na terça-feira (08). Amigos, familiares e até desconhecidos se uniram e fizeram uma caminhada da praça do antigo fórum até a delegacia, onde companheiro da vítima, suspeito de matá-la, estava preso. Eles iniciaram um abaixo-assinado para criação de uma Delegacia Regional da Mulher na cidade. 
 
A jovem Evelin Pedrosa Rodrigues, 24 anos, também foi assassinada com várias golpes de faca na madrugada deste sábado (29) em plena via pública na cidade de Paulistana, distante 468 Km de Teresina. O principal suspeito do crime é o companheiro da jovem, identificado como Joab dos Santos Campos, de 26 anos, que está preso.

Uma agente de saúde e pré-candidata a vereadora foi assassinada com um tiro de espingarda na cabeça e perfurações de faca, dentro de sua casa, no povoado Projeto Piauí, em Alvorada do Gurgueia (a 539 km de Teresina). O crime aconteceu por volta das 6h30 do dia 05 de setembro; o suspeito é seu ex-marido, identificado como Antônio de Sousa, de 45 anos.  

A delegada acrescenta que a Polícia Civil do Piauí está com uma academia de Polícia em andamento (suspensa agora na pandemia). "A intenção é lotar esses policiais no Interior pra reforçar todos o atendimento à população". Para ampliar o apoio aos casos de violência, foi criado um atendimento especializado à mulher na Delegacia Regional em Bom Jesus. 

"Os dois agressores estão presos. O do caso de Bom Jesus e de Alvorada do Gurgueia. O curso de formação (academia de Polícia) é a última fase do concurso. Com o fim da academia, eles podem ser nomeados pelo governador e já começarem a trabalhar imediatamente". 

Boletins de Ocorrência

De acordo com o 4º boletim de violência contra a mulher no Piauí, de janeiro a julho de 2020, o mês de fevereiro foi o único que teve aumento de registro presencial de boletins de ocorrência nas Delegacias da Mulher, quando comparado ao mesmo mês do ano de 2019. No mês de fevereiro foram 475 boletins registrados em 2020 contra 433 boletins no ano de 2019, com aumento de 9,70%.
 
Os dados apontam que desde os primeiros da pandemia da Covid-19 no Piauí, no mês de março desse ano, a frequencia mensal de boletins de ocorrência nas Delegacias da Mulheres sofreu redução. 
 
Comparando o primeiro semestre de 2019 e de 2020, o mês com maior diferencial foi julho que, no ano passado, registrou 473 boletins. Em 2020, foram apenas 296 boletins registrados na Delegacia da Mulher, uma redução de 37,42%. 
 

 

 
 
Considerando o primeiro semestre de 2019 e de 2020, houve redução de 20,50% do registro presencial de boletins de ocorrência nas Delegacias da Mulher. 
 
"Essa queda é natural e já era esperada em razão do momento que nós estamos vivendo com isolamento social em razão da pandemia do novo coronavírus. As mulheres vítimas de violência também estão com medo de irem até a delegacia, de sair de casa; além de outros fatores, como a falta de transporte público, tivemos greve de ônibus e redução da frota", comenta a delegada Bruna Verena, coordenadora do Departamento Estadual de Proteção a Mulher. 
 

 

 
Sobre o boletim 
 
Os dados desse 4º boletim decorrem do Sistema de Boletins de Ocorrência (SISBO), Sistema de Procedimentos Policiais Eletrônicos (PPE) e Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e sobre Drogas (SINESP), da Polícia Civil do Piauí.
 
"O relatório se baseia na quantidade de boletins de ocorrência registrados, e não na quantidade de crimes (unidade de contagem do 1º boletim), explica a Secretaria de Segurança Pública, acrescentando que esse boletim faz referência a 1º de janeiro a 30 de julho, dos anos 2019 e 2020. 
 
Carlienne Carpaso
[email protected]
Imprimir