Cidadeverde.com
Esporte

Bragantino faz 4 no primeiro tempo e atropela o líder São Paulo no Brasileirão

Imprimir

O São Paulo viu a até então melhor defesa do Campeonato Brasileiro ruir nesta quarta-feira. Com 4 gols sofridos na etapa inicial, sendo 3 nos primeiros 18 minutos, perdeu por 4 a 2 para o Bragantino, no Estádio Nabi Abi Chedid, pela 28.ª rodada, nesta quarta-feira, falhando na busca por uma resposta imediata após a queda nas semifinais da Copa do Brasil.

 Foto - Rubens Chiri / saopaulofc.net

Desfalcado de peças importantes na defesa, o São Paulo foi dominado pelo Bragantino, que atuou com a marcação adiantada, forçando erros do adversário, que até então só tinha sofrido 22 gols na competição, e os aproveitando. Assim, criou muitas chances de gol.

O placar, inclusive, só não foi maior porque Tiago Volpi fez várias defesas difíceis no segundo tempo.

O Bragantino, assim, vai fechar a temporada 2020 sem perder para o São Paulo: venceu por 3 a 2 no Paulista e havia empatado por 1 a 1 no primeiro turno do Brasileirão, ambos em jogos no Morumbi.

Agora, encerra uma série de duas derrotas e chega aos 34 pontos, na 12.ª colocação, com essa expressiva goleada.

Apesar da derrota, o São Paulo segue na liderança do Brasileirão, com 56 pontos, com 7 de vantagem para o Flamengo, que perdeu para o Fluminense e tem um jogo a menos, e o Atlético-MG, que só vai atuar nesta rodada em 27 de janeiro.

O São Paulo tentará se reabilitar no domingo, quando receberá o Santos em clássico no Morumbi. No dia seguinte, o Bragantino, também em casa, terá pela frente o Atlético.

O JOGO - O São Paulo foi ao campo sem três titulares com características de marcação - Juanfran, Arboleda e Luan -, além do desfalque de Luciano.

E teve atuação tenebrosa do seu sistema defensivo nos primeiros 45 minutos, sofrendo com falhas individuais e para sair jogando, diante da marcação pressão imposta pelo Bragantino. Assim, levou 4 gols - e pareceu pouco.

Foram 3 apenas nos 18 minutos iniciais. Primeiro, Daniel Alves perdeu a bola e Claudinho marcou, aos 3. Aos 13, o gol de Raul, que já havia marcado no primeiro turno no Morumbi, veio após contra-ataque, depois de novo vacilo de Daniel Alves, e teve a participação direta de Claudinho. Já o terceiro, após cobrança de falta, foi de Fabrício Bruno, de cabeça.

Entre o segundo e o terceiro gols do Bragantino, o São Paulo até fez o seu, aos 15, com Tchê Tchê, em jogada construída por Daniel Alves.

Mas foi quase um detalhe em um primeiro tempo de total domínio do time da casa, tanto que ainda marcou mais uma vez, quando os visitantes buscavam equilibrar o jogo, chegando a ter um gol de Brenner anulado após consulta ao VAR, por impedimento de Vitor Bueno.

O quarto saiu após Diego Costa perder a bola no campo de defesa. E quem marcou foi Artur, aos 44, selando um primeiro tempo de muitos erros do São Paulo, mas também de impressionante volume de jogo da objetiva e veloz equipe da casa, com apenas 33% de posse de bola, mas 13 finalizações, dez a mais do que o líder do Brasileirão.

Na volta do intervalo, Diniz promoveu duas alterações no São Paulo, tirando dois reservas escalados de início - Igor Vinicius e Diego Costa. Mas pouco mudou, pois o time continuou perdido em campo e só não foi vazado aos 7 e aos 12 por difíceis defesas de Volpi em disparos de Claudinho e Artur. 

O Bragantino seguia encontrando espaços e ficou em situação ainda mais confortável após a expulsão de Tchê Tchê por cotovelada em Cuello.

O ritmo do jogo diminuiu, mas Volpi continuou sendo o são-paulino a trabalhar mais em Bragança Paulista. E contou com a ajuda da trave, em cabeceio de Hurtado, para não sofrer o quinto. No fim, Gonzalo Carneiro diminuiu para o São Paulo em gol confirmado após consulta ao VAR.

Por Leandro Silveira
Estadão Conteúdo

Imprimir