Cidadeverde.com
Geral

Strans faz levantamento e estuda subir para 80% a frota de ônibus circulando em Teresina

Imprimir

Foto: Roberta Aline

A Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (Strans) está fazendo um levantamento que vai definir se haverá aumento da frota de ônibus nas ruas de Teresina. Atualmente, segundo o superintendente interino do órgão, Bruno Pessoa, apenas 60% dos veículos estão circulando em virtude da pandemia do novo coronavírus. A ideia é chegar pelo menos a 80%.

“Há o estudo para o eventual aumento da frota em virtude do comércio está aberto, alguns estudantes já voltaram às salas de aula, então a demanda aumentando, acredito que tenha que ter esse aumento da frota também”, disse o gestor.

O objetivo é colocar pelo menos 80% dos ônibus da capital de volta às ruas. “A gente tem intenção de aumentar pelo menos para 80%, só que ainda está tudo em estudo para também não onerar o sistema. Estamos fazendo esse levantamento junto com as informações que a gente recebe de quantidade de usuários que passam pelo sistema. A gente vai detalhar essa questão da demanda e oferta e equilibrar”, explicou.

Além dos dados relacionados a demanda de passageiros no sistema, a Strans já iniciou o diálogo com motoristas e cobradores por meio do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do Piauí (Sintetro) e também fará o mesmo com o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut). 

“Começamos o diálogo com os trabalhadores e vamos ter também essa mesma conversa com o pessoal do Setut. Vamos fazer o levantamento do sistema como um todo e nossas diretorias de transporte e trânsito estão programando o estudo técnico para a melhoria das linhas alimentadoras, principalmente aquelas dos bairros para gente dar uma celeridade e a quantidade de veículos para que a população não seja prejudicada”, ressalta.

Bruno Pessoa destaca ainda que o resultado do estudo deve sair o mais rápido possível. “Isso é para ontem. Dr. Pessoa está atento a isso. Estamos nos inteirando de tudo para dar resolutividade o quanto antes. Ele deu um prazo de 100 dias, mas daqui a um mês ou no máximo dois, vamos concluir para poder dar a cara da nova gestão”, disse.

Reunião com Sintetro

Na manhã desta quarta, o superintendente interino da Strans se reuniu com o Sintetro para ouvir suas demandas. Os trabalhadores reclamaram de descontos salariais, higiene dos ônibus e que a quantidade de veículos rodando está abaixo do percentual acordado.

“Os trabalhadores alegam que os empresários não estão cumprindo com a quantidade de ônibus pelas ordens de serviço. Hoje é para circular 60% dos ônibus e eles alegam que só 40% estão colocando efetivamente. A gente vai fazer essa fiscalização para garantir o cumprimento do mínimo, que são os 60%”, declarou.

Foto: Strans

Em nota, o Setut disse que, atualmente, a frota de ônibus está acima de 50% da que era utilizada antes da pandemia. “Porém, na questão da demanda, agora que estão chegando a apenas 25% do que eram transportados”, informa o Sindicato.

A entidade afirmou ainda que todos os consórcios e suas respectivas garagens seguem todos os protocolos de segurança adotados (janelas abertas, higienização dos veículos, orientações de obrigação do uso de máscara, EPIs para os operadores) para proteção aos seus usuários. 

“A higiene é uma das principais medidas de prevenção contra a pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Por isso, a higienização na área externa e interna dos ônibus foi reforçada e acontece todos os dias”, informou o Sindicato.

No início da semana os trabalhadores do Consórcio Theresina fizeram uma paralisação alegando descontos no salário de cerca de R$ 400. O consórcio é composto pelas empresas Emtracol, Theresina, Santa Cruz, Transfácil (Dois Irmãos) e Taguatur. 

Além dos descontos salariais, motoristas e cobradores também cobraram plano de saúde e ticket alimentação.

Gargalos
Desde o início de janeiro, a Strans estuda alternativas para resolver gargalos provocados pelo Inthegra, sistema de transporte público na capital. 

Dois modelos estão sendo analisados pela nova equipe que assumiu no dia 1º de janeiro. Uma delas é de limitar estacionamentos em vias públicas e a outra é de disponibilizar vans extras e retornar a rota “bairro-centro”.  

Hérlon Moraes
[email protected]

Imprimir