Cidadeverde.com
Geral

Núcleo de Feminicídio assume investigação de morte adolescente

Imprimir

Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com 

O coordenador do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), delegado Francisco Costa, o Baretta, informou na manhã desta segunda-feira (26) que as investigações sobre a morte da adolescente Tatiana Graziela ficarão a cargo do Núcleo de Femicidio do DHPP.

O corpo da adolescente, de 16 anos, foi encontrado na tarde de ontem na região da Santa Maria da Codipi, zona norte, já em avançado estágio de decomposição. A suspeita é que ela tenha sido sequestrada e morta por membros de uma facção criminosa.

De acordo com o delegado Baretta, ainda não é possível esclarecer a dinâmica do crime. A polícia aguarda a conclusão dos exames cadavéricos.

"A moça estava em adiantado estado de putrefação. O perito de local não conseguiu visualizar nenhuma lesão. Foi encaminhado para a necropsia e lá o médico legista deve dizer realmente a causa da morte. Aparentemente não tinha nenhuma lesão de arma de fogo ou arma branca, mas o que sabemos é que ela foi morta e enterrada. Houve um crime de homicídio e ocultação de cadáver" , informou o delegado. 

Ainda de acordo com o delegado, o DHPP vai acompanhar de perto todo o trabalho de investigação. 

"Estamos investigando e vamos identificar e prender o autor. Não vamos entrar no mérito de como a adolescente se portava, porque quem deve conhecer são os pais. Hoje estamos trabalhando com um crime. Não temos bola de cristal, nós investigamos. Estamos trabalhando com a legalidade. Quero dizer que esse crime será elucidado", ressaltou o coordenador do DHPP. 

Questionado sobre a relação do crime com as disputas envolvendo facções criminosas, o coordenador do DHPP afirmou que apenas as investigações podem demonstrar a existência. "Hipótese é uma verdade temporária, a filosofia já diz isso. É preciso que a gente prove. Estamos atrás de um homicida, de quem praticou um crime e ocultou um cadáver", disse. 

 O enterro de Tatiana Graziela foi realizado na manhã desta segunda-feira no cemitério Santa Cruz, região do Promorar, zona sul de Teresina. 

 

 

Natanael Souza
[email protected] 

Imprimir